Arapongas

"Estou reaprendendo a andar", diz médico que venceu a covid

Da Redação ·

"Estou reaprendendo a falar, comer e andar", afirma o médico Rodrigo César Faria, de Arapongas, que venceu a Covid-19 e recebeu alta hospitalar em janeiro. Após ficar internado por 27 dias no Hospital de Maringá, Rodrigo, que trabalha no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), de Apucarana, conta como foram os 15 dias de UTI e como vem sendo o período de reabilitação. "Mudei muito. Espero voltar ao que eu era antes", avalia. 

continua após publicidade

O médico emagreceu 11 quilos e por ficar muito tempo deitado, também perdeu massa muscular e força. "Com ajuda da fisioterapia estou me recuperando aos poucos. Estou reprendendo a andar, falar e comer. São atividades simples que cansam bastante. Até mesmo um alimento que precisa ser mastigado por mais vezes, me deixa cansado", conta. 

Rodrigo ficava por 20 horas de bruços e a cada duas horas virava a cabeça para não causar lesões nas orelhas. "Foram dias marcantes e traumáticos. Quando amanhece e entardece fico com medo, pois foram os períodos em que eu piorava e precisei ir para o hospital. Além disso, a todo momento morria alguém que estava do meu lado e eu pensava: será que serei o próximo?", recorda. 

continua após publicidade

Sobre as sequelas, o médico ainda não voltou a sentir o gosto dos alimentos, uma das principais  características apresentadas em pacientes que contraem o vírus. "Eu ainda não sinto o gosto da comida. Só sei o que é doce e e o que é salgado. Cada pessoa reage de uma forma, mas acredito que existe tratamento precoce sim, a partir do 8º dia para o processo inflamatório", acrescenta. 

Com ajuda da família e de sessões de fisioterapia diária, o médico vem tentando se recuperar de tudo que viveu. "Espero voltar ao que eu era antes. Ficou tudo bem mais difícil, mas vou conseguir”, acredita.

Sessões de fisioterapia

continua após publicidade

O fisioterapeuta Lucas Gouveia, de Arapongas, responsável pelas sessões da reabilitação do médico, diz que cada paciente reage de uma forma diferente perante às lesões causadas pelo vírus. “No caso do doutor Rodrigo, elaborei estratégias, principalmente para a parte pulmonar, pois sem nela, não conseguiria melhorar as outras atividades. Aos poucos tiramos o oxigênio. A fisioterapia é essencial para a reabilitação do paciente que sofreu essas lesões durante o tratamento", explica. 

Veja o relato emocionante que o médico fez em suas redes sociais:

Eu fui uma das vítimas do Covid-19, tive a forma grave e graças a Deus eu venci. Foram 27 dias internados, sendo 15 desses em UTI. Ainda enfrento algumas sequelas dessa doença, como hipertensão pulmonar, insuficiência cardíaca, suspeita de TEP, o medo, a crise de pânico e de ansiedade. Faço fisioterapia motora e respiratória diariamente e estou tentando voltar ao normal, não é nada fácil.

continua após publicidade

Diante o cenário mundial, o Brasil com um dos maiores índices de contaminados, tendo uma estatística de que cada 4 casos no mundo 1 é no Brasil e já há dias batendo Record de casos e morte. O melhor a se fazer é prevenir, se puder ficar em casa, evitar aglomerações, usar máscara, lavar as mãos e uso de álcool gel 70%. Nesse feriado que se aproxima é muito importante ter consciência de tudo que o mundo está passando, cuide de si e de todos que estão ao seu redor. 

A COVID-19 afeta diferentes pessoas de diferentes maneiras. A maioria das pessoas infectadas apresentará sintomas leves a moderados da doença e não precisarão ser hospitalizadas.

Procure atendimento médico imediato se tiver sintomas graves. Sempre ligue antes de ir ao médico ou posto de saúde, clínicas ou hospitais.

Pessoas saudáveis que apresentarem os sintomas leves devem acompanhar seus sintomas em casa. Em média, os sintomas aparecem após 5 ou 6 dias depois de ser infectado com o vírus. Porém, isso pode levar até 14 dias.

Tags relacionadas: #Apucarana #COVID-19 #PANDEMIA