Desembargador dá bronca em vereador araponguense por 'roupa inadequada' - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

CLIMÃO

Desembargador dá bronca em vereador araponguense por 'roupa inadequada'

Foto por
Escrito por redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

O vereador de Arapongas Fernando de Oliveira, que é advogado, levou uma bronca do desembargador Clayton Camargo, do Tribunal de Justiça do Paraná, por causa de suas roupas. Camargo interrompeu Oliveira na sessão da 1ª câmara Criminal nesta quinta-feira (6), porque ele estava apenas de camisa, sem terno, gravata ou beca.

“Nós estamos em sessão virtual por videoconferência, estamos vestidos adequadamente, o nobre advogado pelo menos coloque uma toga ou uma gravata, senão daqui a pouco tem gente fazendo sessão perante o Tribunal de Justiça do Paraná de bermuda. Não concordo com essa postura. Nosso regimento prevê vestes talares para essas questões de julgamento. Se não vai virar moda. Ou se coloca adequadamente trajado ou não se sustenta”, criticou o desembargador.

Durante a bronca, Clayton chegou a citar outro caso em que um advogado baiano apareceu deitado em uma rede durante sessão por videoconferência no Tribunal de Justiça da Bahia. 

Diante do alerta, o desembargador Antonio Loyola, que presidia a sessão, pediu ao advogado que colocasse uma beca. Oliveira chegou a solicitar a retirada do processo de pauta ou adiado, para fazer a alteração. Contudo, o processo foi colocado como último da fila de julgamentos para dar tempo ao advogado de vestir-se adequadamente.

OAB emite nota de repúdio a desembargador 

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Seção do Paraná, emitiu nota de repúdio direcionada ao desembargador Clayton Camargo que repreendeu o advogado e vereador araponguense durante sessão. A nota diz que o magistrado desconhece o ato baixado pelo Tribunal de Justiça em abril deste ano que desobriga juízes, procuradores e advogados do uso de gravata ou becas.

Na mesma nota, a secção paranaense da OAB também condena Camargo por manifestações críticas proferidas sobre a atuação do Diretor de Prerrogativas da entidade, advogado Alexandre Salomão.

Veja a íntegra da nota oficial da OAB/PR:

O Conselho Pleno da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção do Paraná vem a público posicionar-se sobre as manifestações do Desembargador Clayton Camargo, ocorridas no dia 06/08/2020, durante a sessão da 1ª. Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), nos seguintes termos:

a. A OAB-PR repudia a manifestação feita pelo Desembargador Clayton Camargo sobre a atuação do Dr. Alexandre Salomão, Diretor de Prerrogativas desta seccional, no julgamento de mandado de segurança impetrado para questionar aplicação de multa processual contra advogada inscrita nos quadros desta seccional, quando insinuou que este estaria realizando sustentação oral, por ser este um ano eleitoral na OAB. Primeiro, há engano pois a OAB não está em ano eleitoral e as ações da instituição não se orientam por interesses eleitorais, mas sim em defesa da legalidade e das prerrogativas da profissão. Em segundo lugar, o desembargador parece desconhecer sobre a atuação da OAB-PR na defesa da advocacia e na fiscalização do seu exercício, a qual tem promovido centenas de assistências em favor da classe quando entende ser necessária a proteção da legalidade e das prerrogativas profissionais. No caso concreto, a OAB-PR, por intermédio de seu Diretor de Prerrogativas, sustentou tese conhecida sobre a impossibilidade de aplicação da multa do art. 265, do CPP,  sem observância ao princípio do contraditório, defendendo, ainda, que sanções disciplinares por condutas ilícitas ou ilegais de advogados, de acordo com a lei 8.906/94, devem ser aplicadas pela Ordem dos Advogados do Brasil. A OAB-PR esclarece, sobre a atuação disciplinar, que na atual gestão, que se iniciou em 2019, 30 advogados foram excluídos e 670, suspensos da atividade profissional, sem falar nas exclusões aplicadas que aguardam recurso ao CFOAB.

b. A OAB-PR igualmente repudia a afirmação do Desembargador Clayton Camargo de que não recebe respostas da instituição sobre os ofícios que envia a respeito de condutas disciplinares de advogados, desconhecendo a razão ou origem de tal queixa. Não há na OAB-PR, na atual gestão, qualquer ofício enviado pelo desembargador, sendo absolutamente incabível a afirmação de que “se guardasse todos teria uma pilha de ofícios”. A OAB-PR se coloca à disposição para esclarecer qualquer expediente que o magistrado eventualmente tenha em mãos, e sobre o qual deseje informações, sendo a transparência uma das prioridades da OAB-PR.

c. A OAB-PR também repudia a atitude do desembargador Clayton Camargo ao chamar a atenção de advogado que se apresentou para fazer sustentação oral com camisa social, porém sem gravata, uma vez que a Instrução Normativa n. 5/2020, do TJPR, estabelece no par. 2º., do artigo 1º., que ficam dispensadas as vestes talares durante as sessões de julgamento virtuais. Ademais, em sessão do órgão máximo da Justiça, qual seja o STF, um Ministro da Corte apresentou-se trajado da mesma forma, sem que qualquer advogado presente àquela sessão tenha chamado a atenção do magistrado, como fez o desembargador em relação ao advogado. A OAB-PR tem recomendado aos seus inscritos que compareçam às sessões de julgamento com vestimentas compatíveis com o exercício da advocacia, o que também reitera nesse momento.

d. Por fim, a OAB-PR reafirma que continuará lutando intransigentemente para que haja a legitima observância ao que preceitua o artigo 6º., da Lei 8.906/94, isto é, que “não há hierarquia nem subordinação entre advogados, magistrados e membros do Ministério Público, devendo todos tratar-se com consideração e respeito recíprocos”, ressaltando que o dever de urbanidade também está previsto na Lei Orgânica da Magistratura Nacional, por seu artigo 35, IV.

e. A OAB-PR ressalva que vê na atitude do desembargador um ato isolado, uma vez que o tratamento que vem sendo dispensado por parte da cúpula diretiva do TJ-PR, dos presidentes das Câmaras e da magistratura em geral, tem sido respeitoso, de diálogo e de construção harmoniosa de soluções para superar as dificuldades da pandemia, sempre voltado, em primeiro lugar, para o atendimento dos jurisdicionados, que precisam da Justiça.

Curitiba, 7 de agosto de 2020.

Conselho Pleno Seccional da OAB-PR

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Desembargador dá bronca em vereador araponguense por 'roupa inadequada'"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Todos os candidatos

Não encontramos candidatos com o filtro selecionado.