Mais lidas

    Arapongas

    Arapongas

    Com qualidade, Arapongas puxa a produção de ovos no Paraná

    Com qualidade, Arapongas puxa a produção de ovos no Paraná
    Foto por Gilson Abreu/AEN
    Com qualidade, Arapongas puxa a produção de ovos no Paraná
    Foto por Gilson Abreu/AEN
    Com qualidade, Arapongas puxa a produção de ovos no Paraná
    Foto por Gilson Abreu/AEN
    Escrito por Agência Estadual de Notícias
    Publicado em 10.05.2021, 10:33:07 Editado em 10.05.2021, 10:33:08
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.

    Por trás daquela vistosa bandeja com 30 ovos, invariavelmente acomodada em uma ponta de gôndola do supermercado, há muito trabalho. Empenho como o da família Cortez, de Arapongas, na Região Norte. Em diferentes gerações, costumam dizer que estão há “uma vida” na avicultura.

    Dedicação vista nos números do Paraná. Os dados de 2020 sobre a produção de ovos, elaborados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que o Estado subiu para a segunda colocação no ranking nacional, com 360,64 milhões de dúzias produzidas, 3,3% a mais do que em 2019. São Paulo lidera com 1,14 bilhão de dúzias produzidas – Espírito Santo (359,802 milhões de dúzias), Minas Gerais (351,277 milhões) e Rio Grande do Sul (279,617 milhões) aparecem na sequência.

    “São 53 anos na atividade. Um trabalho delicado, que requer muita atenção. Eu nasci aqui, na granja, e dei continuidade ao trabalho do meu pai. É um caso de amor com os ovos, com o Paraná e com o País”, afirma Dirceu Pontalti Cortez, sócio-proprietário da Granja Feliz.

    O complexo que ele dirige é impactante e considerado um exemplo de organização dentro do setor. São 300 mil galinhas alojadas em uma área de 17,5 alqueires. Todas separadas por espécie, respeitando as rigorosas exigências sanitárias. A produção diária da Granja Feliz é estimada em 183 mil ovos por dia.

    Volume que garante o emprego para aproximadamente 60 pessoas de forma direta. Alguns deles, inclusive, residem no próprio terreno da granja, em casas cedidas pela administração. “Não cobramos nada, aluguel, luz ou água”, conta o empresário.

    A granja é um dos tantos polos da avicultura espelhados por Arapongas. Grupo que transformou o ovo em importante matriz econômica da cidade. De acordo com o Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, a produção de ovos de galinha para consumo participou em 2019 com 4,3% do Valor Bruto de Produção (VPB) de todo o núcleo de Apucarana, com concentração justamente em Arapongas.

    O município lidera tanto em volume quanto em faturamento no Paraná. Produziu 40.106.700 dúzias em 2019, com valor agregado de R$ 100.266.700,00.

    EXPORTAÇÃO – Roberto de Andrade Silva, técnico do Deral, explica que o Brasil ainda exporta poucos ovos – mais de 98% da produção são voltados para o mercado interno (consumo in natura, indústria alimentícia, consumo institucional).

    Segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), a pandemia de Covid-19 influenciou de maneira negativa os volumes embarcados. “Os Emirados Árabes Unidos, um dos principais destinos do produto brasileiro, sofreu reduções drásticas em seu turismo por causa do vírus, o que resultou na diminuição da demanda por ovos, consequentemente, das importações do produto brasileiro”, destaca Silva.

    INSUMOS – Mercado externo que é parte da preocupação na granja dos Cortez. O dólar alto fez com que a exportação de milho e soja, base da ração das galinhas poedeiras, ficasse mais atrativa, abalando o mercado interno. Custo mais elevado dos insumos repassado em parte para o consumidor final, lá na ponta da gôndola. “Mexeu com o setor como um todo”, diz.

    Em fevereiro o preço dos ovos apresentou expressivas altas em todos os níveis do mercado paranaense: produtor, atacado e varejo. Em relação ao preço pago ao avicultor, o aumento foi de 6,6%, em comparação com janeiro de 2021.

    No mês passado, a caixa do tipo grande, com 30 dúzias, foi vendida, em média, a R$ 117,67. No atacado, o reajuste verificado chegou a 18,8% e a mesma caixa teve preço de R$ 120,41. Já no varejo, a dúzia atingiu o valor de R$ 6,01, alta de 7,3% em relação a janeiro. O levantamento é do Deral.

    Como comparativo, em fevereiro de 2020, um avicultor precisava de 7,9 caixas de 30 dúzias de ovos para adquirir uma tonelada de milho. Em fevereiro deste ano, para ter a mesma quantidade, ele precisa investir 11,4 caixas de ovos, um aumento de 44,3%.

    No farelo de soja, a relação é ainda mais forte. De 15,2 caixas necessárias para uma tonelada do produto em 2020, agora é preciso 26,8 caixas, aumento de 76,3%. “Precisamos de apoio para continuarmos a ser competitivos. Somos um segmento importante, que emprega milhares de paranaenses”, ressalta o secretário-executivo da  Associação Paranaense de Avicultura (Apavi), Edson Tsuguio Kakihata.

    O setor pede ao Governo Federal a isenção de impostos como PIS e Cofins. A demanda está em análise pelo Ministério da Agricultura.

    SÉRIE – O ovo de Arapongas faz parte da série de reportagens “Paraná que alimenta o mundo”, desenvolvida pela Agência Estadual de Notícias (AEN). O mostra o potencial do agronegócio paranaense. Os textos serão publicados sempre às segundas-feiras. A previsão é que as reportagens se estendam durante todo o ano de 2021.

    Gostou desta matéria? Compartilhe!

    Mais matérias de Arapongas

    Deixe seu comentário sobre: "Com qualidade, Arapongas puxa a produção de ovos no Paraná"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.