Arapongas

Câmera de segurança flagra fuga de presos no Paraná; veja

De acordo com a polícia, 25 presos conseguiram fugir e cinco já foram recapturados

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Câmera de segurança flagra fuga de presos no Paraná; veja
Câmera de segurança flagra fuga de presos no Paraná; veja

Uma câmera de segurança instalada na rua da cadeia pública de Arapongas, no norte do Paraná, flagrou presos pulando o alto muro da unidade. É possível ver os detentos correndo para escapar. Veja: 

continua após publicidade

 Crédito vídeo: inviolável - Vídeo por: Crédito - Inviolável  

Os detentos conseguiram serrar o solário da cadeia, depois pularam um muro com cerca de cinco metros de altura. A Rua Tucanos, área central da cidade, precisou ser interditada. De acordo com o tenente Marco Antônio Matias, da Polícia Militar, quatro presos já foram capturados. 

continua após publicidade

"Fomos acionados por volta das 3 horas pelos agentes da delegacia dizendo que havia acontecido essa fuga. A informação é que os detentos cortaram o teto de arame e fugiram. Quatro já foram recapturados, eles acabaram se machucando pela altura do muro que pularam, ainda não tem como saber a quantidade de presos que fugiram, é uma quantidade considerável", explicou. 

A Polícia ainda acredita que toda a ação foi premeditada. " Tinha uma escada no muro e tinham veículos esperando para dar apoio, arquitetaram realmente essa fuga, uma ação planejada, tinha veículos na rua da cadeia e na rua que fica atrás da cadeia" relata. 

Policiais da Seção de Operações Especiais (SOE) realizam a recontagem dos presos. Aproximadamente 280 presos estavam na cadeia de Arapongas.  A fuga aconteceu em uma ala com 160 detentos, segundo a polícia.

continua após publicidade

De acordo com a polícia, 25 presos conseguiram fugir e cinco já foram recapturados   

Câmeras de segurança ainda flagraram dois homens em uma bicicleta, eles arremessaram bebidas e carregadores de celulares. Veja: 

 Crédito vídeo: inviolável - Vídeo por: Crédito vídeo: inviolável  

continua após publicidade