Arapongas

Arapongas produz 70% da matéria-prima de remédio famoso; saiba qual

Negociação entre gigantes do setor farmacêutico envolve fazenda localizada no município; entenda

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

Arapongas é responsável pela produção de 70% da matéria-prima utilizada na fabricação de um dos remédios mais populares do mundo, o Buscopan. O famoso medicamento receitado para cólicas, dores e desconfortos abdominais foi lançado no Brasil em1955 pelo tradicional laboratório alemão Boehringer Ingelhein e, desde então, é recordista de vendas no país. 

continua após publicidade

O princípio ativo do medicamento é retirado de uma planta, a duboisia, que é cultivada em uma fazenda de Arapongas há mais de 40 anos. Desde 2019, a marca Buscopan pertence à Hypera Pharma, uma das maiores empresas farmacêuticas do Brasil, que anunciou em maio deste ano que vai assumir também o controle da produção da matéria-prima.

A produção da duboisia movimentou R$ 12 milhões no município em 2021, segundo o Valor Bruto da Produção (VBP) de 2021. O montante é inferior apenas a culturas tradicionais, como o milho, soja e trigo, além da produção de frango de corte e ovos de galinha.  O VBP é um índice que calcula anualmente a produção agrícola e agropecuária dos municípios. No Paraná, a divulgação é feita pela Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento (Seab). 

continua após publicidade

Da duboisia, que é nativa da Austrália, é retirado o princípio ativo do Buscopan, o Butilbrometo de Escopolamina. O remédio foi introduzido no mercado alemão em 1952 e três anos depois chegou ao Brasil. 

Em Arapongas, a produção é realizada na Fazenda Solana (Solana Agropecuária). Fundada em 1978, segundo informações disponíveis no site da Boehringer Ingelheim, a propriedade emprega cerca de 70 colaboradores e é responsável pelo cultivo de 70% da matéria-prima para produção de Buscopan. Os 30% restantes são produzidos na Austrália. 

O nome Solana faz referência ao gênero botânico da duboisia, que pertence à família Solanaceae. “O local pratica agricultura sustentável com ações concretas para preservação dos solos e das águas em sua área total, equivalente a 16.300.000 m², com 200 ha de área reflorestada com espécies nativas e uma represa de 130.000 m², informa o site. 

continua após publicidade

São 400 toneladas produzidas anualmente em uma área de 400 hectares, segundo o VBP. No entanto, o relatório estadual do Valor Bruto de Produção traz o nome “datura” em vez de duboisia. Datura é um gênero botânico também pertencente à família Solanaceae. As duas plantas têm características similares. A datura foi descoberta por médicos hindus antigos, mas o laboratório alemão retira o princípio ativo do medicamento da duboisia. 

Além do Buscopan, a duboisa também fornece o princípio ativo do Spiriva (brometo de tiotrópio), que é receitado para o tratamento do sistema respiratório.

A Boehringer Ingelheim é a maior empresa farmacêutica de capital fechado do mundo. Integra o grupo das 20 maiores empresas farmacêuticas, líderes em pesquisa e desenvolvimento.   

continua após publicidade

Estabelecida há mais de 60 anos no Brasil, o laboratório tem, além da fazenda no Paraná, um escritório em São Paulo, uma fábrica de produtos de saúde humana localizada em Itapecerica da Serra e uma unidade de produção para saúde animal em Paulínia. 

NEGOCIAÇÃO

Em 2019, a Hypera Pharma anunciou a compra de ativos da farmacêutica alemã Boehringer Ingelheim, incluindo as marcas Buscopan e Buscofem, líderes no segmento antiespasmódico (medicamento que combate dores abdominais) no Brasil. O negócio girou em torno de R$ 1,3 bilhão, segundo diversas reportagens da época. Em maio de 2022, a Hypera também anunciou que está comprando da Boehringer a propriedade produtora de duboisia em Arapongas por R$ 190 milhões, segundo informes divulgados por sites especializados. 

A reportagem procurou a Boehringer Ingelheim e a Hypera para falar sobre o futuro da Fazenda Solana e também para agendar uma visita à propriedade em Arapongas. A Boehringer Ingelheim afirmou que a reportagem no local não seria possível no momento por "algumas movimentações da companhia" e não respondeu sobre os negócios com a Hypera Pharma, que, por sua vez, disse que não iria se manifestar por enquanto. 

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News