Arapongas

Arapongas pede criação de um batalhão ao comandante-geral da PM PR

O coronel Hudson Leôncio Teixeira, comandante-geral da Polícia Militar do Paraná, esteve nesta sexta-feira em Arapongas.

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Arapongas pede criação de um batalhão ao comandante-geral da PM PR
fonte: Reprodução

Arapongas recebeu nesta sexta-feira (01) o coronel Hudson Leôncio Teixeira, comandante-geral da Polícia Militar do Paraná. Ele se reuniu com o prefeito Sérgio Onofre, com o deputado estadual Tiago Amaral, com o presidente do Conselho Comunitário de Segurança, Wesley Squilino, o secretário municipal de Segurança, Paulo Argati, oficiais da PM e outras lideranças, a fim de ouvir as reivindicações para o setor.

continua após publicidade

“Basicamente, foram apresentadas duas reivindicações ao coronel Hudson. A primeira diz respeito a que a nossa Companhia Independente seja transformada num batalhão. A segunda é que se aumente o nosso efetivo do Corpo de Bombeiros para poder dar melhor assistência à população e principalmente ao nosso parque industrial, que é o principal polo moveleiro do Brasil”, afirmou o prefeito Sérgio Onofre.

Tiago Amaral afirmou que a criação de um batalhão da PM em Arapongas é estrategicamente uma alternativa viável, levando-se em conta que a Companhia hoje já atende o município de Sabáudia. “A proposta é que Arapongas passe a atender, a partir daí, também aos municípios de Astorga e Pitangueiras, que hoje estão ligados a Colorado, muito mais distante”, argumentou o parlamentar.

continua após publicidade

“Vamos fazer um estudo de todas essas demandas, a começar pela criação de um batalhão, que é um anseio da região, e o reenquadramento dos bombeiros, se vai ser necessário completar o efetivo ou elevar o nível da unidade para um nível superior”, afirmou o coronel Hudson. Segundo ele, vai ser necessário fazer um estudo de viabilidade com base nos argumentos e informações apresentadas durante o encontro. “Se for viável, vamos levar ao governo estadual para saber se no momento o governo suporta isso ou não e dar uma resposta para a comunidade local”, finalizou o coronel.