Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Arapongas

Grupos de acompanhamentos no Cisam voltam atenções à saúde mental

.

Em um momento de reflexão e acolhimento, o Centro Integrado da Saúde da Mulher (Cisam) realizou na tarde de ontem (23), uma palestra voltada ao tema” Saúde Mental”  que contou com a participação dos psicólogos Antônio Carlos Faria e Tatiana Verenoz. Durante o encontro foram abordados assuntos específicos, entre eles: depressão, ansiedade e demais transtornos, tratamentos, orientações, além da troca de experiências e diálogos aprofundados sobre questões que norteiam a valorização da vida.

“Fui convidado para dialogar com as mulheres atendidas pelo Cisam, em um momento de interação e troca de informações pertinentes. É importante mantermos vínculos e ações eficazes através de uma rede de apoio estruturada nos atendimentos à saúde mental. Todos nós precisamos e merecemos atenções especiais para mantermos nossa mente nos trilhos, por isso, apoio e atenção são fundamentais”, explica Faria.

O Cisam conta em seu quadro de atendimentos com grupos de acompanhamentos em saúde mental, para mães, gestantes, idosas e adolescentes que passam ou já enfrentaram algum tipo de transtorno. Nos encontros semanais - que envolvem de 150 a 200 mulheres – dinâmicas em grupos, terapias e orientações são realizadas  através da ação de equipe multidisciplinar.

“Nos nossos grupos, acompanhamos de perto gestantes e mães que tiveram depressão pós parto, pacientes que enfrentam transtornos como ansiedade, comportamentos de autodestruição, depressão, entre outros, em variadas faixas etárias. Buscamos uma reabilitação psicossocial, estimulando a busca por qualidade de vida, oferecendo apoio através dos tratamentos específicos para cada caso. Temos desempenhado um papel importante, em meio a uma sociedade que merece atenção e cuidados nesse sentido”, explica Tatiana Verenoz - psicóloga do Cisam.

O encontro contou também com a presença da gerente do Cisam, Juliana Parazzi.

Ajuda e melhora da saúde mental

Algumas pacientes que participam dos grupos de acompanhamentos do Cisam(que preferiram não se identificar) prestaram relatos de suas histórias e, como as ações assistenciais em saúde mental têm atuado de forma positiva.

(PACIENTE “1”)

“Perdi minha mãe quando eu era muito jovem. Passei por situações, das quais, eu pedia a morte. Já adulta fui atingida por uma bala perdida e sobrevivi. Minha vida passou por um triz. Tenho buscado apoio aqui no Cisam e felizmente tenho conseguido a cada dia, um novo norte para minha vida.”.

(PACIENTE “2”)

“Eu não me amava. Não me aceitava como eu era. Tentei por várias vezes o suicídio. E nas tentativas, de uma maneira inexplicável, minha mãe sempre chegava na hora. Hoje estou grávida, e tenho buscado uma vida melhor para mim e para o meu bebê.”.

(PACIENTE “3”)

“Enfrentei uma grande batalha quando meu pai ficou doente, entre a vida e a morte. Esgotada e cansada, um sentimento ruim tomou conta de mim, até que um dia pensei em atentar contra a minha própria vida. A partir disso, busquei ajudas e tratamentos específicos com especialistas. Foi onde voltei a me dar conta, que eu não poderia fazer isso. Eu não poderia deixar minhas 3 filhas. Hoje, graças a Deus, tenho uma vida restabelecida. Minha fé também me salvou.”.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Arapongas

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber