Arapongas

‘Empréstimo’ de água irrita moradores de Arapongas

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia ‘Empréstimo’ de água irrita moradores de Arapongas
‘Empréstimo’ de água irrita moradores de Arapongas

Moradores do Jardim Mônaco, em Arapongas, estão indignados. Há cerca de dois meses, caminhões pipa prestadores de serviço da Sanepar começaram a retirar água de hidrantes do bairro para suprir escassez em Sabáudia e, desde então, foi o bairro araponguense que passou a sofrer com o desabastecimento. O pior é que, mesmo consumindo menos, alguns deles reclamam que a conta passou a vir mais alta. 

A primeira incursão dos caminhões começou por volta de novembro de 2013. O bairro, que nunca tinha tido problemas com falta de água passou a enfrentá-la. “Comecei a perceber a falta há uns dois meses. A última vez que faltou foi no domingo”, afirma o comerciante Robson Banhetti, proprietário de uma padaria. 
 

continua após publicidade
confira também



Também comerciante, Benedito Branco diz que gastou R$ 1,5 mil para instalar uma caixa d’água em seu bar, devido à falta do produto. “Eu chegava cedo, como todo dia, e começou a faltar água para a gente lavar o rosto”, justifica.

Foi aí que os moradores começaram a perceber que caminhões particulares estavam retirando água todos os dias de dois hidrantes existentes no Jardim e passaram a associar as duas situações. “Era só eles começarem a tirar que começava a faltar água na torneira”, conta a dona de casa Natalina Fernandes Cardoso, de 53 anos. “O relógio (que registra o consumo) ficava girando quando os caminhões tiravam água”, afirma. 

A maior surpresa chegou junto com a conta. “Costumava gastar média de R$ 60 por mês, mas chegou uma conta com mais de R$ 100, bem no mês que mais faltou mais”, reclama. Indignada com a situação, dona Natalina reuniu outros moradores e foi tirar satisfação com o motorista do caminhão.

“Eles queriam queimar o caminhão. O motorista telefonou para o dono do veículo, que chegou a chorar. Então, o pessoal desistiu de botar fogo”, conta a moradora. 

Desde a ação mais contundente dos moradores, o caminhão deixou de abastecer no bairro. “Depois que eles pararam de passar, não me lembro de ter faltado água”, conta o frentista Edson Risse, que, assim como outros residentes do bairro, afirma que relatou o problema para a Sanepar.