Arapongas

Frota sucateada coloca em risco alunos de Arapongas

Da Redação ·
Situação física dos veículos é precária: assentos são amarrados com arame
fonte: Foto: Sérgio Rodrigo, da Tribuna do Norte
Situação física dos veículos é precária: assentos são amarrados com arame

O sucateamento dos ônibus escolares de Arapongas motivou uma manifestação de professores e alunos da cidade cobrando providências das autoridades em relação ao tema. Hoje, 38 ônibus com média etária superior a vinte anos são responsáveis por transportar cerca de quatro mil alunos por dia. Em situação precária, os veículos chegam a aglomerar cem estudantes, colocando-os em risco. Prefeitura afirma que já toma providências para sanar o problema.

A professora de Filosofia Celimara Cordaço Tiski, do Colégio Unidade Polo, aproveitou que o tema política e cidadania estava sendo trabalhado em sala de aula para mobilizar alunos do 2º ano a reivindicarem uma solução. Nesse sentido, eles redigiram um manifesto e levaram à sessão da Câmara de Vereadores de anteontem. Lido pela presidente da Casa, Margareth Pimpão (PSD) e apoiado por parlamentares de situação e de oposição, o texto classifica a situação dos ônibus como “sucateados”.

continua após publicidade
confira também


Por outro lado, também propõe que o município faça campanhas educativas e contrate monitores para evitar que os próprios alunos transportados “vandalizem” os veículos. “O projeto surgiu como forma de mostrar que a política não é formada somente por aqueles ‘políticos profissionais’, que também somos corresponsáveis por ela. E os próprios alunos levantaram a questão dos ônibus”, explica a professora.


LOTAÇÃO E AVARIAS
Na tarde de ontem, a reportagem visitou o colégio na hora da saída e confirmou as más condições dos veículos. Pneus carecas, lataria e assentos danificados, lanternas quebradas foram alguns dos problemas encontrados. “Vocês vieram num dia de prova, que muitos alunos saíram mais cedo. Se fosse em dia comum, vocês veriam a lotação”, ressalvou a aluna Maria Eduarda Alves, moradora do Corina Pugliesi.

Sem se identificar, um motorista de uma das linhas confirma a situação. “Minha média é de setenta alunos, mas tem ‘carros’ que ‘puxam’ até cem ”, disse. Mãe de estudante, Mariza de Souza Machado conta que já teve que ir pé, com nenê de dois anos no colo, para buscar o outro filho que estuda na unidade. “O ônibus do Corina (Pugliesi) é o que vem mais lotado”, esbraveja.


RENOVAÇÃO
O pastor Adriano Vicensi, diretor municipal de Transporte Escolar, reconhece o problema e o credita à administração anterior. “Recebemos em estado vergonhoso, alguns chegam a chover dentro”, declara ele, completando que a frota tem idade média superior a vinte anos. Ele revela que o órgão planeja não somente reformar, mas renovar completamente a frota. “Estudamos financiar 10 ônibus pela prefeitura e buscar mais 20 através do governo. Não é possível precisar a data, mas sonhamos que isso aconteça até o final do ano”, revela.

Vice-prefeito por oito anos na gestão anterior e atual vereador, Jair Milani criticou o fato da atual administração atribuir problemas aos antecessores seis meses depois de assumir. “Conseguimos que os ônibus funcionassem por oito anos e os entregamos em funcionamento. Está na hora de parar de colocar a culpa nos antecessores e começar a administrar”, declarou. O assunto já está sendo investigado pelo Ministério Público estadual.