Arapongas

Caminhada sobre câncer de mama atrai centenas de pessoas

Da Redação ·
 Ação buscou conscientizar população sobrea importância da prevenção
fonte: Paulo Sérgio - Jornal de Arapongas
Ação buscou conscientizar população sobrea importância da prevenção

Com lenços cor de rosa na cabeça e faixas nas mãos, centenas de pessoas participaram da caminhada de conscientização sobre o câncer de mama, ocorrida no último sábado em Arapongas. A ação, organizada pelo Grupo de Apoio e Combate ao Câncer de Mama Amigas do Peito, com apoio da Secretaria de Saúde, a ação tem como principal objetivo alertar a população sobre a importância do diagnóstico precoce da doença.

Pessoas de todas as idades, a maioria mulheres, se reuniram às 10 horas na Praça Mauá, percorrendo toda a Avenida Arapongas até chegar à Igreja Matriz, localizada na área central da cidade.

Durante a ação, a população recebeu orientações sobre a prevenção. O secretário de saúde Alcides Livrari Júnior, que participou da caminhada, destaca que intenção é chamar a atenção da população sobre o problema. “Muitas mulheres ainda não praticam o autoexame. É preciso entender a importância de diagnosticar a doença no início. Só há morte para quem não se previne”. A passeata contou com a presença de mulheres que já tiveram câncer e também aquelas que ainda estão enfrentando a doença. O secretário de saúde informou que o câncer - em geral - é a terceira causa de morte no município, atrás de doenças cardiovasculares e acidentes.

DIAGNÓSTICO - O câncer de mama acomete predominantemente mulheres acima de 45 anos, porém, nos últimos anos tem ocorrido um aumento significativo, no número de mulheres abaixo de 40 anos com doença, cuja taxa de mortalidade chega a ser superior às pacientes maiores de 45 anos.

A caminhada também é um alerta para que as mulheres não substituam o acompanhamento clínico adequado pelo autoexame. Quando o câncer está em estágio muito inicial, pode ser difícil identificá-lo apenas através do toque. Por isso a mulher deve visitar um médico regularmente, pois o autodiagnostico, pode gerar falsos resultados, o que pode agravar o problema. Os exames de rotina precisam ser anuais para as mulheres na faixa-etária de risco.

continua após publicidade