Apucarana

Vídeo mostra motociclista que assediou moradora de Apucarana

Durante a gravação é possível ver a vítima correndo pela rua após a importunação sexual

Da Redação ·

Câmeras de segurança gravaram o momento em que uma moradora de Apucarana, no norte do Paraná, que fazia sua caminhada na manhã desta quinta-feira (3), na Rua Hernando Pombo Ricardo, próximo do Parque Biguaçu, foi vítima de importunação sexual.

continua após publicidade

Na gravação é possível ver a vítima, de 33 anos, correndo pela rua após sofrer o assédio. A jovem conta que estava se exercitando quando o homem passou a mão em sua bunda e em seguida, fugiu do local. Em choque, a vítima saiu correndo pela rua.

Após o episódio, ela procurou a Polícia Militar (PM), de Apucarana, e espera por justiça. "Está cada dia mais difícil. Espero que esse homem seja punido pelo que fez e que nenhuma mulher passe pela mesma experiência. Horrível ter que enfrentar esse tipo de situação. Foi horrível, uma sensação de impotência, por que você está caminhando a pessoa vem te assedia e você não tem forças pra fugir. Acredito que se fosse uma adolescente mais nova ele teria derrubado. Ele veio e deu um tapa bem forte na região do bumbum. Parou a moto a uns 10 metros de mim e ainda me ameaçou. Uma pessoa que faz isso é capaz de fazer coisas bem piores",  lamenta a vítima. 

continua após publicidade

A apucaranense registrou um Boletim de Ocorrência (B.O). No entanto, a placa da moto estava coberta por uma sacola plástica e não foi possível identificá-la. A vítima disse que conversou com os policiais e que foi informada de que pelo menos uma outra mulher também foi assediada recentemente por uma pessoa com as mesmas características do motociclista. 

"Eu registrei B.O e o policial me disse que só nessa semana fui a segunda vítima da mesma situação e com a mesma característica do suspeito. Esse motociclista está fazendo maldade, por que ele saiu com a  placa da moto fechada com uma sacola plástica. Pode ser que tenham até mais vítimas e que não registraram a ocorrência", comenta. 

Denúncias como essa podem ser feitas através dos telefones 190 (PM), 153 (GM) e (43) 3420-6700 (Polícia Civil). Veja o vídeo acima