Apucarana

Superação: adolescente amputada recebe próteses em Apucarana

Mykaela, de 12 anos, passou quase dois anos sem andar e agora está em adaptação com as novas pernas.

Da Redação ·

Ter autonomia é o desejo de todo adolescente: poder ir à escola sozinho, sair com amigos, praticar esportes, conquistar cada vez mais independência. Mas para a moradora de Apucarana, no norte do Paraná,  Mykaela Rosa Vieira, de 12 anos, essa realidade estava distante, já que ela não podia caminhar e dependia da mãe para tudo enquanto utilizava uma cadeira de rodas.

continua após publicidade

Mykaela nasceu com uma má formação nas pernas e ainda bebê, precisou ser amputada. Aos 6 meses de idade foi encaminhada pelo médico para atendimento na AACD em São Paulo, onde recebia acompanhamento e próteses, até que a pandemia paralisou o atendimento.

"Todo o atendimento presencial foi suspenso com a pandemia e como ela está em fase de crescimento, precisa trocar as próteses a cada 6 meses no máximo. Sem atendimento, Mikaela passou a ficar apenas na cadeira de rodas, sem poder andar, por um ano e sete meses, até que consegui trazer o caso dela para a ADEFIAP", conta a mãe, Juceli Vieira da Silva.

continua após publicidade

Segundo Paulo Antônio da Silva, presidente da Associação dos Deficientes Físicos de Apucarana (ADEFIAP), o caso da Mikaela foi indicado para a instituição, que imediatamente, iniciou o processo de confecção das próteses, em parceria com a administração municipal.

"É emocionante acompanhar o processo dela, ver essa jovem recuperando a autonomia. É muito recompensador. Agora que ela já está com as próteses, passa por todo processo de adaptação, com acompanhamento e fisioterapia", disse.

A adolescente está ansiosa para voltar para a escola, agora que poderá caminhar com os colegas. Mikaela vai iniciar o 6º ano no Colégio José de Anchieta e revela que sonha em ser médica, para no futuro, poder salvar vidas.

continua após publicidade

"Eu não sabia fazer nada, só pedia apoio da minha mãe. Agora estou muito melhor, ainda é difícil para me adaptar, mas daqui a pouco estou andando, até correndo também. Quero muito voltar para a escola, espero que meus colegas gostem de mim. Um dia vou ser alguém bem forte, quero fazer medicina para salvar vidas", disse a adolescente.

Assista a matéria completa.

 Superação: adolescente amputada recebe próteses em Apucarana - Vídeo por: tnonline