Apucarana

Sessão: Ativista alerta sobre violência e pedofilia

Vereadores criticam governo federal na distribuição de vacinas

Da Redação ·

A ativista trans e defensora dos direitos humanos, Renata Borges, usou a Tribuna Livre da Câmara de Apucarana, nesta segunda-feira (10) para falar pedir aos vereadores empenho no sentido de apoiar e também intensificar campanhas de combate à violência contra crianças e adolescentes e contra a pedofilia. Ela falou sobre o “Maio Laranja”, criado para discutir este assunto, e sobre o dia de mobilização nacional que acontece no dia 18 de maio.

continua após publicidade

“É imperioso que tenhamos campanhas permanentes, não somente no mês de maio, porque a integridade da criança é responsabilidade nossa”, alertou Renata Borges.

Segundo ela, 80% dos casos de agressão às crianças ocorrem dentro dos próprios lares. E de uma a quatro meninas no Brasil sofrem violência sexual até os 18 anos de idade. Neste sentido, ela pediu que os vereadores também entrem nessa campanha e divulguem todos os meios de se fazer denúncias.

continua após publicidade

 Vereadores criticam governo federal na distribuição de vacinas

O aumento no número de contágio e de mortes ocasionados pela Covid-19 no País, doença que já levou muitos apucaranenses a óbito, foi um dos principais assuntos discutidos na sessão ordinária de segunda-feira (10), da Câmara de Apucarana. Para vereadores, o governo federal precisa apressar a compra e distribuição de vacinas à população, porque este é o melhor caminho para salvar vidas no momento.

Antes da sessão, houve um minuto de silencio em homenagem aos apucaranenses que morreram no último final de semana vítimas desta e de outras doenças. “Até quando vamos continuar respeitando um minuto de silêncio em todas as sessões por causa desta Covid?”, voltou a indagar o presidente do Legislativo, vereador Franciley Preto Godói Poim (PSD). “Que venha mais vacinas para que mais gente não venha a morrer, inclusive da nossa família”, disse.

continua após publicidade

Para o vereador Marcos da Vila Reis, a culpa desta situação tem sido do governo federal, que teria demorado muito para providenciar a compra e distribuição de vacinas. “Infelizmente, estamos perdendo o combate para este vírus invisível.

Esperamos que as autoridades públicas federais façam agora não só o possível, mas também o impossível para que a vacina chegue a todos os brasileiros o mais rápido possível e, assim, possamos retomar a nossa vida normal”, afirmou o vereador. A opinião de Marcos da Vila Reis foi reforçada pelo vereador Lucas Leugi (PP), para quem a culpa dos óbitos não está na enfermagem, no médico, mas naqueles que estão na frente do Plano Nacional de Imunização.

VOTAÇÃO

continua após publicidade

Na sessão de ontem, os vereadores votaram e aprovaram apenas três matérias. Um dos projetos aprovados foi o do vereador Marcos da Vila Reis, que dispõe sobre a contratação de licitação pública no Legislativo Municipal. Pela sua proposta, para ser contratada pela Câmara Municipal para execução de algum serviço ou obra, a empresa tem que ter 5% do seu quadro  mulheres vítimas de violência doméstica e 5% sendo jovens do primeiro emprego.

Segundo o vereador, este projeto apenas regulamenta e traz para Apucarana a lei federal 14.133, nova lei de licitações, qeu já está em vigor.

Também foram aprovados projeto de lei do vereador Lucas Leugi, que torna de utilidade pública a Associação Lokomotiva Futsal Apucarana e um projeto de lei do Executivo que cede imóvel e concede incentivos fiscais à empresa Arsenal Confecções Militares Ltda.;

O projeto de lei do Executivo que dispõe sobre a Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2022 foi retirado de pauta por pedido de vista do vereador Lucas Leugi.