Apucarana

"Se não houver fraude Bolsonaro será vencedor", diz deputado

O deputado federal do Paraná Filipe Barros (PSL) falou sobre as manifestações que serão realizadas no dia 7 de setembro

Da Redação ·

O deputado federal do Paraná Filipe Barros (PSL), durante entrevista para o site TNOnline nesta sexta-feira (27), falou sobre as manifestações que serão realizadas no dia 7 de setembro e ainda comentou sobre a possibilidade de fraude nas eleições de 2022.

continua após publicidade

Filipe vai participar do ato a favor do Presidente Bolsonaro, em São Paulo e a principal pauta do protesto é defender a constituição federal. "Se todas as pessoas que estão falando que vão participar, será uma das maiores manifestações do nosso país, talvez seja a última oportunidade do povo ir para a rua defender a constituição federal, essa é a pauta, somos contra os abusos do STF, não queremos viver no país em que a Suprema Corte pegue as atribuições de outros poderes, somos contra os abusos dos ministros. Se o Barroso, o Alexandre de Moraes querem fazer política, que tiram a toga e disputem uma eleição. As críticas às manifestações contra os integrantes do STF são na verdade a expressão da democracia. Não somos contra o STF, e sim contra as pessoas que estão momentaneamente ocupando cargos dentro STF e que essas pessoas desvirtuando o papel constitucional do Supremo. A pauta é única, contra os abusos cometidos pelos ministros do STF e isso é democrático", disse. 

Durante entrevista, o deputado disse que o Supremo Tribunal Federal constrange cidadãos comuns e que usa a Polícia Federal para 'invadir' casas de pessoas de bem. "Já avisei a minha família, caso um dia a PF for em casa, será por qualquer coisa, menos por corrupção, não vou recuar das minhas posições. O que o STF está fazendo é constranger cidadãos comuns, qual o perigo que o Sérgio Reis representa? perigo nenhum. Prender um deputado federal, a constituição proíbe, colocar medo das pessoas para que se sintam desencorajadas, é ilegal, inconstitucional", ressalta. 

continua após publicidade

Sobre as eleições de 2022, Barros acredita na vitória, na reeleição de Bolsonaro, se não houver fraudes nas urnas e lamentou a rejeição do projeto do voto impresso.  "Lamentavelmente a PEC do voto impresso foi rejeitada, rejeitada por pressão. Quando fui designado relator não imaginava que poderia ter fraudes, mas a reação dos Ministros em conluio com velha mídia, trouxe essa desconfiança e acho que é possível fraudes. Eu e o presidente revelamos naquela live que houve invasão na urna, com capacidade de alterar resultados das eleições, se alterou ou não, não sabemos, pois uma empresa que trabalha para o TSE apagou os arquivos, fiz questão de tornar isso público, acredito nessa possibilidade de fraude. Eu tenho plena convicção que o presidente Bolsonaro será o vencedor das eleições no ano que vem, se não houver fraudes nas urnas. Eu não acredito nessas pesquisas em que o Lula aparece na frente do Bolsonaro. O Lula não consegue mais reunir pessoas, a não ser pagando com pão com mortadela e cachaça que é o que ele gosta", finaliza.