Apucarana

Professor investigado por assédio pode retornar às aulas

A direção da instituição de ensino confirmou que ainda não existe nenhuma determinação por parte do Núcleo Regional de Educação (NRE) de Apucarana ou da Secretaria Estadual da Educação (SEED) sobre o afastamento do professor.

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
Imagem ilustrativa da notícia Professor investigado por assédio pode retornar às aulas
fonte: TNOnline

O atestado médico do professor do Colégio Cívico-militar Padre José Canale, de Apucarana, que foi denunciado por assediar alunas, venceu na última quarta-feira, 18. Por essa razão, existe uma expectativa de que o docente retorne a dar aulas ainda nesta semana. A direção da instituição de ensino confirmou que ainda não existe nenhuma determinação por parte do Núcleo Regional de Educação (NRE) de Apucarana ou da Secretaria Estadual da Educação (SEED) sobre o afastamento do professor.

continua após publicidade

O caso segue em investigação em Apucarana. Um inquérito foi instaurado pela delegada Luana Lopes, titular da Delegacia da Mulher do município, depois que a mãe de uma aluna registrou um boletim de ocorrências, há pouco mais de um mês. Segundo a delegada, o suspeito ainda não foi ouvido e as investigações seguem em sigilo.

O caso teve um relatório elaborado pela Ouvidoria do do NRE, e encaminhado para a Secretaria de Estado da Educação (Seed), que decidirá o futuro do professor. O relatório recomenda à Seed que seja aberto um processo administrativo contra o docente. Nesse tipo de caso, havia a possibilidade de uma sindicância, mas, diante dos fatos e documentos juntados, já seria possível ir direto para o administrativa, segundo a Ouvidoria.

continua após publicidade

O diretor do Colégio Cívico Militar Padre José Canale, professor Roberto Carlos de Oliveira, mais conhecido como Canela, confirmou a denúncia contra o professor, ocorrida no início do mês passado, quando encaminhou o caso para o Núcleo Regional. “A gente mantém isso em sigilo até para não expor ninguém sem provas. Mas todos os procedimentos administrativos foram adotados imediatamente”, disse.

Relembre o caso, clicando aqui.

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News