Apucarana

MPT determina afastamento de servidor da 16ª RS

Servidor alvo de denúncia se diz injustiçado e perseguido.

Da Redação ·
O Ministério Público do Trabalho (MPT) propôs uma ação civil pública contra o servidor, denunciando uma série de abusos praticados.
fonte: Reprodução / Redes sociais
O Ministério Público do Trabalho (MPT) propôs uma ação civil pública contra o servidor, denunciando uma série de abusos praticados.

O chefe da divisão administrativa da 16ª Regional de Saúde (RS) de Apucarana Benedito Bento teve seu afastamento do cargo determinado pelo juiz titular da Vara do Trabalho de Apucarana Maurício Mazur.

continua após publicidade

O Ministério Público do Trabalho (MPT) propôs uma ação civil pública contra o servidor, denunciando uma série de abusos praticados contra trabalhadores da RS, entre eles, assédio moral e sexual. Pelo menos 13 funcionários da RS teriam sido ouvidos durante o processo.

Além disso, o documento relata que o réu teria tentado interferir nas investigações, tentando coagir depoentes, segundo informações do SindiSaúde/PR.

continua após publicidade

O juiz também estabeleceu multa de R$ 10 mil ao Estado do Paraná para cada novo episódio de assédio moral relatado e comprovado envolvendo o agente público.

O servidor afastado pelo MPT afirma que está sendo injustiçado e vítima de perseguição de servidores do órgão.

Sesa não foi notificada

De acordo com a assessoria da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), o Estado ainda não foi informado oficialmente da decisão, mas vai cumprir as determinações judiciais apontadas. Vale lembrar que existe um procedimento administrativo correndo na Controladoria Geral do Estado (CGE) por determinação da própria Secretaria de Estado da Saúde para que haja total isenção e lisura do processo.