Apucarana

Júri de homem que matou esposa asfixiada com cadarço foi adiado

O crime, que chocou a cidade, ocorreu em 2014. O Júri, que seria nesta quinta-feira (28) e foi remarcado para o dia 16 de agosto

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
Crime, que chocou a cidade, ocorreu em 2014. O Juri, que seria nesta quinta-feira (28), foi remarcado para o dia 16 de agosto.
fonte: Arquivo/TNOnline
Crime, que chocou a cidade, ocorreu em 2014. O Juri, que seria nesta quinta-feira (28), foi remarcado para o dia 16 de agosto.

O júri marcado para esta quinta-feira (28), para julgar o comerciante que, em 2014, matou a esposa, usando um cadarço para asfixiá-la, foi adiado e remarcado para acontecer no dia 16 de agosto. 

continua após publicidade

O caso a ser julgado tem como réu o comerciante Jair Aparecido Metta, atualmente com 70 anos, que em 7 de janeiro de 2014, usou um cadarço para asfixiar a esposa, Irene Andriazzi Metta, de 62 anos. Eles eram bastante conhecidos na cidade.

O casal, que morava no centro da cidade, estava em processo de separação, depois de 40 anos de convívio. Eles moravam no centro da cidade e o corpo da mulher foi encontrado, na época, pela própria filha, que foi à casa da mãe para uma visita e a encontrou, morta, no chão da cozinha. Eles moravam na rua Osório Ribas de Paula, no centro da cidade, em frente ao Colégio Nilo Cairo.

continua após publicidade

De acordo com a Polícia Militar, na ocasião, Irene Andriazzi Metta foi asfixiada até a morte com um cadarço. O marido dela, Jair Aparecido Metta chegou a fugir do local e se apresentou à polícia, dias depois, orientado pelo advogado.

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News