Apucarana

ExposedApucarana: vítimas de assédio vão registrar denúncia formal na delegacia, afirma advogada

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia ExposedApucarana: vítimas de assédio vão registrar denúncia formal na delegacia, afirma advogada
ExposedApucarana: vítimas de assédio vão registrar denúncia formal na delegacia, afirma advogada

A advogada apucaranense Stephane Recco Mota Drumond, que representa cinco mulheres que denunciaram assédios pelo Twitter,  com a hashtag #ExposedApucarana, encaminhou nota à redação do TNOnline no início da noite deste domingo (31), informando que os depoimentos serão registrados formalmente na Delegacia da Mulher. De acordo com  advogada, o objetivo é dar voz às vítimas de possíveis abusos ocorridos dentro de algumas instituições particulares de ensino de Apucarana e encorajá-las a denunciar os agressores. 

continua após publicidade

Leia o texto na íntegra:

"Não seremos caladas! 

continua após publicidade

A nossa luta não é só contra os abusadores, é também contra todos que julgam e tentam descredibilizar todo e qualquer depoimento feminino, não levam a sério e acham que se trata de alguma piada “de mal gosto”, principalmente quando se trata de crimes contra a dignidade sexual.

Há séculos viemos tentando acabar com essa cultura de desrespeito às mulheres, no geral, sempre temos que provar em dobro como e porque somos merecedoras de algo, porque devemos ser ouvidas, em todas as etapas da vida, mas parcela da sociedade a qual não vou intitular prefere nos intimidar, nos abafar, nos calar.

Com efeito, devido a tantos abusos que passaram impunes na história, recentemente houve a alteração na lei penal, que passou a prever o crime de importunação sexual no artigo 215-A do Código Penal, bem como a Lei Maria da Penha demonstrando desse modo, um dos avanços dessa luta da sociedade no combate à violência contra as mulheres em todas as suas modalidades. 

continua após publicidade

No caso que veio à tona no dia 28 de maio envolvendo vítimas estudantes,  minha luta é essa, dar voz às vítimas de possíveis abusos ocorridos dentro de algumas instituições particulares de ensino de Apucarana-PR, que se calaram por muitos anos e somente agora resolveram desabafar o que lhes assolava, quando perceberam que não estavam sozinhas, quando perceberam que muitas tinham alguma história para contar no sentido semelhante. 

Nesse mesmo dia, 28  de maio, eu enquanto advogada procurei a delegacia da mulher para que fossem realizados os depoimentos de maneira formal, estava fechada devido à pandemia pois agora os horários são diferenciados, então entrei em contato com a delegada Dra. Sandra e fui informada por ela que como não era caso de urgência para reabrir a delegacia os depoimentos seriam feitos na segunda, é por este motivo que ainda não foram formalizados. 

Primeiro, quero que saibam que nenhuma mulher gostaria de se expor dessa forma, há muita vergonha em falar sobre o assunto e muitas delas ainda não se sentem a vontade para se expor por medo de julgamentos de pessoas que nunca passaram pela mesma situação, por isso nunca achem que é motivo de orgulho ter que dizer que foram vítimas de algum tipo de abuso ou constrangimento.

continua após publicidade

Ademais, quero dizer a todas as meninas, SE UNAM, esse é o momento de uma apoiar a outra, qualquer relato será importante, não tenham medo!

Por fim, gostaria de deixar claro que, independentemente de qualquer classificação jurídica dos atos cometidos, essas meninas, que poderiam ser suas filhas, tem todo direito de expor a verdade aos órgãos responsáveis para apurá-los como forma de ao menos suavizar essa dor na qual convivem, algumas por vários anos."

continua após publicidade

EXPOSED
Na última quinta-feira (28), diversos relatos de assédio e importunação sexual surgiram nas redes sociais. Em comum, o fato deles terem ocorrido em Apucarana. Através da hashtag #ExposedApucarana, mulheres denunciaram vários casos ocorridos na cidade.

Boa parte dos comentários fazia alusão a professores de colégios locais. Muitas das mulheres narraram fatos ocorridos inclusive dentro dos estabelecimentos de ensino. O assunto chegou a ficar na lista dos mais comentados do Brasil na plataforma Twitter naquele dia.

No último sábado (30), o advogado de um dos professores que teve o nome relacionado a insinuações e acusações de assédio e importunação sexual, entrou com pedido judicial de tutela inibitória para retirada de seu nome junto as publicações da plataforma.