Apucarana

"Estamos devastados", diz tia de menino apucaranense

A morte precoce de Gustavo Inácio Ruzycki, de 2 anos, gerou grande comoção em Apucarana

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia "Estamos devastados", diz tia de menino apucaranense
fonte: Pixabay\ ilustração

A morte precoce de Gustavo Inácio Ruzycki, de 2 anos, gerou grande comoção em Apucarana nesta sexta-feira (22). De acordo com a tia do menino, Thaine Rodrigues, moradora da Vila Nova, ele apresentava tosse e sintomas de resfriado desde março. No entanto, o quadro de saúde da criança evoluiu para uma pneumonia.

continua após publicidade

De acordo com a tia, desde que o sobrinho ficou doente, foi levado diversas vezes para receber atendimento médico. "No domingo (17), minha irmã Tatiane levou meu sobrinho três vezes na Unidade de Pronto Atendimento (Upa), de Apucarana. Ele estava vomitando e bastante fraco. Nós insistimos muito e ele foi levado para fazer um raio x, que apontou que ele estava com pneumonia", conta Thaine. 

Após o resultado do raio x, o menino foi levado para o Materno Infantil, onde ficou hospitalizado. Segundo a assessoria do Hospital da Providência, o menino chegou a ficar internado por quatro dias, mas nesta quinta-feira (21), às 14h30, foi transferido para o Hospital Universitário, de Londrina, onde morreu.

continua após publicidade

O secretário da Saúde de Apucarana, Emídio Bachiega, relatou à equipe de reportagem do TNOnline que foi informado sobre o caso do menino nesta quinta-feira (21). "Foi repassado que ele estava com pneumonia e precisou ser levado para Londrina para fazer hemodiálise", esclarece.  A reportagem busca mais informações sobre o atendimento oferecido ao menino.

Conforme a Autarquia de Serviços Funerários (Aserfa), o velório ocorre na Capela do Jardim Ponta Grossa, em Apucarana, e o sepultamento está marcado para esta sexta-feira (22), às 14h30, no Cemitério Parque das Acácias, de Arapongas, onde mora o pai. 

“Ele era uma criança saudável, muito querido, alegre, que iluminou a nossa vida. Estamos devastados, com uma dor inexplicável. Como não pediram o raio x antes? Se tivessem dado mais atenção para o Gustavo, isso não teria acontecido. Estamos revoltados, inconformados", emocionada disse a tia.