Apucarana

Deputado Sérgio Souza defende reestruturação do MDB; veja

Sérgio Souza repassou que o MDB caiu muito nos últimos anos, mas que o partido pretende fazer um trabalho a longo prazo

Da Redação ·

O Deputado Federal Sérgio Souza (MDB-PR) que também é presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), durante entrevista para o Jornal Tribuna do Norte e site TNOnline, informou que o partido dele passa por uma reestruturação e disse que confia na urna eletrônica, porém, defendeu o voto impresso. 

continua após publicidade

Sérgio Souza repassou que o MDB caiu muito nos últimos anos, mas que o partido pretende fazer um trabalho a longo prazo, visando as eleições de 2026. "O MDB é um partido que não pode ter dono, tanto que está no próprio nome, Movimento Democrático, a partir do momento que o partido começou a ter dono em algumas cidades, só caiu. O MDB caiu muito nos últimos anos, e já foi o partido que mais teve  representação da assembleia, no congresso, nas prefeituras e câmaras, não caiu só a nível de parlamentares, caiu a nível de filiados e o MBD ficou pequeno. O  diretório nacional decidiu me nomear presidente de uma comissão provisória para reorganizar e marcamos a convenção com antecedência, que vai acontecer no dia 31. Acredito em uma  convenção tranquila, com disputas de chapas e aquele que ganhar, terá a responsabilidade de comandar o maior partido do Brasil e o décimo do Paraná", explica. 

O deputado ainda disse que devido às circunstâncias que o partido foi comandando, muitos políticos tiveram que sair do MDB e procurar outras legendas. Porém, já tem uma estratégia para mudar essa realidade. "Em Apucarana conseguimos eleger um vereador, no Vale do Ivaí, dos 26 municípios, temos dois prefeitos. Não temos mais liderança na assembleia, precisamos reestruturar o partido. Nessas eleições gerais no Paraná, o primeiro passo é lançar uma chapa muito bem organizada, com candidatos a deputados federais e estaduais. A meta é duplicar a quantidade de deputados federais e triplicar os estaduais. Estamos incentivando candidaturas em Cambé, Londrina, Rolândia, em Arapongas deve ter candidato, em Apucarana queremos que tenha. Se montarmos uma boa chapa, teremos a possibilidade de bons candidatos e lá em 2024 esses candidatos podem sair como vereadores prefeitos, e aí sim chegar em 2026 enraizado. Sabe aquela história de descer até chegar no fundo do poço? O MDB começa a se levantar no PR", enfatiza.

continua após publicidade

Questionado sobre a definição do novo comando estadual do partido, e da intenção do ex-governador Roberto Requião querer retomar a liderança do MDB, Sérgio Souza disse que quem decide é a convenção. "O MDB é muito democrático, quem vai decidir é a convenção, lá em 2022 teremos convenção novamente, aí sim, lá pode ter candidaturas. Sou do MDB desde a juventude,  se perdemos a convenção, eu continuo no MDB, não é por que se eu perder a convenção que vou sair do partido, estou nele já quase 10 anos. O partido tem que ser maior que a gente".

Sobre a votação do Fundo Eleitoral aprovado pelo congresso que destina R$5,7 bilhões aos partidos para custear as campanhas, o deputado afirmou que tem muitos políticos que estão se aproveitando de um discurso para aumentar a popularidade. "É uma grande oportunidade de explicar esse assunto. Lá em 2016 o congresso votou pelo financiamento público de campanhas, eu fui contra. O fundo eleitoral, para você ter, tem que colocar na LDO, porém, é só uma meta, a lei não fixa valor, mas se não tiver na LDO não pode ter na lei orçamentária. Tem muito folclore, oportunismo, vou me declarar contra para aumentar minha popularidade. Temos que ser coerentes, o sistema é público, topo mudar e voltar para o sistema anterior.  São 5.700 municípios, quantos candidatos? qual o recurso necessário para financiar? não sabemos, os recursos acabam não chegando para quem começa na carreira política, porém essa discussão está apenas começando".

Falando nas eleições de 2022, o deputado disse que confia na urna eletrônica, no entanto, defendeu o voto impresso. Sérgio Souza acredita na vitória de Bolsonaro em um segundo turno e que o MDB pretende lançar uma candidata à presidência. "Eu fui eleito pela urna eletrônica, eu confio, no entanto, se tiver alguma dúvida e precisar de recontagem? como que faz? não tem como pela urna. O voto impresso dá mais segurança, podemos testar esse modelo em uma, duas eleições, mas para isso também tem um custo e é caro, o voto impresso que vai pagar é o contribuinte, mas eu acho necessário, se não vamos ficar nessa situação. Nós estamos vivendo o retrato da polarização, o Bolsonaro veio com uma ideologia muito forte, querendo organizar as coisas, não conseguiu da forma que queria, aqueles que não aceitam a extrema direita não querem o Bolsonaro agora tem o Lula sendo um possível candidato, falta alguém no centro, outra opção, vai surgir bons nomes, o MDB tem oferecido a Simone Tebet, senadora pelo Mato Grosso do Sul. Extremamente capacidade, muito preparada, deve ser uma opção. Não temos ainda alguém à altura do Lula ou Bolsonaro, mas seria muito bom uma terceira via, alguém que tenha essa chance de crescimento, na minha opinião, Bolsonaro ganha do Lula em um segundo turno".

continua após publicidade

O deputado também falou sobre os desafios da bancada ruralista, as metas é dar segurança jurídica ao setor produtivo interno com uma pauta de votações no Congresso Nacional e mitigar perante a sociedade e a opinião pública os efeitos negativos do Brasil no mercado internacional. Segundo o parlamentar, informações divulgadas sem a devida apuração dos fatos. 

Sérgio Souza destacou o potencial do Brasil na produção de alimentos. "Em dez anos, a tendência é o país se tornar o maior exportador de alimentos do mundo". Assista a entrevista completa: 

 Deputado Sérgio Souza defende reestruturação do MDB; veja - Vídeo por: Reprodução  

continua após publicidade




Tags relacionadas: #deputada federal #Política