Apucarana

Crônica de jornalista de Apucarana é encontrada no Ceará

Texto foi escrito por Rosemary, fundadora do "O Radar" e "O Debate", que faleceu em 2015

Da Redação ·

Graças à atenção e sensibilidade de um policial rodoviário do Ceará, uma crônica da jornalista de Apucarana, Rosemary Lopes Pereira (in memoriam), fundadora dos jornais "O Debate" e "O Radar", pode ser lida pelo seu filho, o professor da UFPR, Luís Fernando Pereira, seis anos após sua morte. 

continua após publicidade

De acordo com o portal Plural Curitiba, o policial Flávio Holanda estava saindo do trabalho, na sede da Polícia Rodoviária Federal (PRF), no Ceará, quando viu uma folha amarelada voando pelo estacionamento. Ao pegá-la, percebeu que se tratava da crônica “Fascina-me a Coragem”. Ele colocou o texto no bolso e dias depois compartilhou o achado com um colega de trabalho. Os dois pesquisaram sobre a autora na internet e descobriram que a jornalista de Apucarana havia morrido em 2015. 

Os colegas de trabalho resolveram contar o que havia acontecido para o filho da jornalista. Luís estava dando aula, no meio da semana, quando recebeu a mensagem de Flávio pela internet. "Foi difícil segurar a emoção", relata o professor. 

continua após publicidade

Fascínio e coragem

Rosemary nasceu em Irati, no interior do Paraná, e começou a escrever crônicas na juventude, nos jornais fundados pelos irmãos. “Ela fez a escola normal, passou a dar aulas e manteve tanto as aulas quanto as crônicas, mas o jornalismo falava mais forte. Tanto que quando se mudou para Ponta Grossa, em 1959, começou a comandar um programa de rádio ao vivo, com auditório”, narra o filho. O sucesso foi tamanho que rapidamente ela foi convidada para assumir a direção da rádio em Apucarana, em 1967, onde foi viver com o marido.

Já em Apucarana, o casal decidiu dar um passo mais largo e fundou primeiro o jornal, O Debate, que não durou muito. Em 1970, eles fizeram uma nova tentativa com O Radar – e aí deu certo. “Ela era muito ativa, escrevia o jornal de cabo a rabo, e com posições políticas bastante progressistas, uma coisa surreal para uma cidade conservadora como aquela”, fala Luís. “Isso fica evidente na crônica, mas creio que se trata de um texto mais antigo, porque ela radicalizou o discurso com o passar do tempo. Isso fez com que ficasse mais complicado sustentar o jornal, que era custeado por contribuições espontâneas da própria comunidade.”

continua após publicidade

Coragem, no entanto, era a palavra de guerra de Rosemary – e ela manteve o jornal vivo até o ano de sua morte. “Tem uma cena que eu não me esqueço… Na Câmara de Vereadores, um vereador desacatou a minha mãe e ela jogou um copo d’água na cara do sujeito. Também já teve manchete do jornal que dizia assim: prefeito prepotente, arrogante e desonesto. Processo contra O Radar era coisa comum”, relembra aos risos.

A jornalista também levava sua coragem para as ruas da cidade, muitas vezes como ativista em causas ambientais. “Havia árvores ao redor da praça central de Apucarana. Certa vez, a prefeitura fez um projeto para derrubada (que efetivamente aconteceu) para ampliar o tráfego na praça. Ela subiu em uma árvore e ao menos fez barulho, o que adiou a derrubada.”

O mistério da folha amarelada

continua após publicidade

Rosemary nasceu no dia 2 de outubro de 1926. Sua crônica foi encontrada uma semana antes de seu aniversário de 95 anos, e se mostrou “cruelmente atual”. Como foi parar no Ceará ainda é um mistério, mas Luís tem uma pista: a jornalista costumava se corresponder com alguns colegas do Nordeste. 

“O texto foi redigido em uma máquina de escrever que está aqui em casa, volta e meia o meu filho brinca com ela. Mas o mais incrível é que chegou até mim pelas mãos de um policial extremamente sensível. Que coisa, não? Até depois de morta ela nos ensina que a realidade é mais complexa do que imaginamos, e que o mundo não é binário”, diz o filho orgulhoso.

As informações são do site Plural Curitiba. 

Tags relacionadas: #Apucarana #jornalista