Apucarana

Comunidade ucraniana organiza ato em Apucarana; assista

A cidade, que tem mais de 300 famílias de origem ucraniana, se coloca à disposição para receber eventuais refugiados

Da Redação ·

Diversos representantes das mais de 300 famílias de origem ucraniana de Apucarana se reuniram na tarde desta sexta-feira (25) para um ato de oração e apoio ao povo da Ucrânia. O encontro foi num dos pontos de referência da comunidade, a Igreja Divino Espírito Santo.

continua após publicidade

O pároco da igreja, padre José Hadada explicou a importância de todos se unirem em orações nesse momento. No ato, ele fez questão de abrir com o Hino Nacional Brasileiro, seguido do Hino Nacional da Ucrânia. Em seguida, a comunidade fez um minuto de silêncio enquanto os sinos da igreja tocavam, em homenagem ao povo Ucraniano.

A Paróquia Divino Espírito Santo, de Apucarana, além das cerca de 300 famílias, atende também outras 700 famílias, espalhadas entre os municípios de Londrina a Ortigueira. “Toda essa comunidade está profundamente entristecida, em oração pela vida”, disse padre Hadada.

continua após publicidade

O prefeito de Apucarana, Júnior da Femac (PSD), também participou do ato, lembrando que a cidade é uma das que tem maior número de famílias ucranianas. “Mas independente disso, é momento de nos unirmos em oração por aqueles que estão lá. Nossas famílias aqui estão preocupadas, tristes e absolutamente solidárias”, afirmou.

O Padre Hadada, ao abrir o ato, lembrou que Prudentópolis, cidade com o maior número de descendentes ucranianos no Paraná já editou decreto em que se coloca como destino receptivo para todos os refugiados de guerra da Ucrânia. O padre inclusive sugeriu que Apucarana faça o mesmo, no que foi prontamente atendido pelo prefeito, que sinalizou à sua equipe para que as providências sejam tomadas nesse sentido. “É claro que qualquer pessoa que fugir da guerra será benvinda em nossa comunidade, em nossa cidade”, disse.

Quem também esteve presente ao ato foi o ex-prefeito de Apucarana, Voldimir Mirão Maistrovicz. “O que para nós aqui é um sentimento de tristeza, para nossa gente, lá, é desespero total”, resumiu ao falar de seus sentimentos sobre esse momento. Assista o vídeo acima.