Comemoração minimalista: Pandemia afeta casamentos - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

COVID-19

Foto por
Escrito por Fernanda Neme
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

O setor de eventos foi sem dúvida um dos mais prejudicados durante a pandemia do novo coronavírus com a paralisação de festas e eventos. No entanto, aos poucos, os encontros íntimos, principalmente em família, ganham cena novamente. A advogada Jaqueline Delfino de Castro Martins, de Apucarana e o marido, o empresário Rafael Martins, programaram no começo do ano uma festa grande em buffet de um aninho para a filha Isabela. Porém, com a chegada da pandemia os planos mudaram.

“Na semana que íamos fechar, o Brasil paralisou com a chegada da pandemia em março. Fomos adiando e deixei tudo parado, até que em junho, resolvemos retomar a organização da festa”, conta.

Jaqueline explica que analisou as situações e uma festa em buffet não seria adequada no momento, mas que também gostaria de comemorar o primeiro aninho da filha. A festa minimalista em família foi uma opção. “Temos familiares com comorbidades e de grupos de risco. Por isso, resolvemos reunir 15 pessoas da família em casa mesmo, mas encomendando decoração e comida de fora para festejar a data. Foi a opção do momento, mas pelo menos não passou em branco”, conta.

O mesmo aconteceu com Bruna Bertagna e Rômulo Ruy, de Apucarana, que trocaram alianças no começo de outubro apenas sob os olhares da família. “Nós havíamos marcado o casamento para mais ou menos 200 pessoas. Em março, eu ainda não tinha fechado com nenhum fornecedor. E então, em março, a pandemia chegou ao Brasil. Decidimos fechar em um local menor e para menos pessoas, mas até então acreditávamos que conseguiríamos colocar toda nossa família (90 pessoas). Estávamos perdidos”, conta.

Dois meses antes do casamento, Bruna e Rômulo conversaram e resolveram casar mesmo assim. “Estávamos com a casa montada, viagem de lua de mel marcada, férias agendadas, além de estarmos juntos há 10 anos, não fazia sentido esperar mais. Acabamos fazendo a festa para 28 pessoas. Somente pais, irmãos, avós e um padrinho de cada lado. Fizemos uma lembrancinha para entregar para os familiares que não puderam ir, e fizemos uma transmissão da cerimônia pelo zoom”, conta.

A empresária Lilian Dyene Ferreira Plínio, do ramo de festas em Apucarana, explica que por ser do ramo de estrutura de som e luz, que envolve geralmente festas grandes, o fluxo ainda está um pouco parado. Porém, ela diz que orçamentos e cotações estão a todo vapor. “Fazíamos eventos com no mínimo 200 pessoas. Por isso, os eventos de 2020 foram levados para 2021. Nossa agenda para o ano que vem está cheia de transferências”, conta.

Em relação ao retorno dos eventos, Dyene diz que a maioria envolve festas de 30 a 80 convidados, mas que o setor começa a fluir novamente. “O mercado começa a girar e isso é muito bom. Sabemos que formaturas não irão acontecer, mas eventos corporativos estão aparecendo, além de orçamentos. Estamos animados”, complementa.

O decreto assinado pela Prefeitura de Apucarana não foi alterado. Porém, os responsáveis pelo setor continuam em contato com os profissionais da área de eventos de Apucarana.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Comemoração minimalista: Pandemia afeta casamentos"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.