Apucarana

Começa a obra de recuperação do painel da onça, em Apucarana

Desenho da onça, com 230m2, que se transformou em um dos cartões postais da cidade, foi feito em 1997 e precisou ser protegido por decreto, como patrimônio artístico, em 2015, para não ser apagado

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
O painel da onça, de 1997, é um patrimônio artístico, cultural e histórico de Apucarana
fonte: Jair Ferreira/Estúdio BellaFace
O painel da onça, de 1997, é um patrimônio artístico, cultural e histórico de Apucarana

Um artista de Apucarana está recuperando um patrimônio artístico e cultural de Apucarana. Zion queria contar essa história quando participou da licitação da prefeitura para recuperar o painel da onça, um dos cartões postais da cidade.

continua após publicidade

Nesta semana, Zion deu início à fase de preparação do local para a obra de restauração da pintura, o que ele fará com a ajuda da artista Mônica Ishiba, também de Apucarana. Ele já instalou os andaimes necessários e espera terminar os trabalhos em 40 dias, aproximadamente.

O painel da onça tem 230 metros quadrados, ocupando toda a lateral do edifício Ariane, na praça Valmor Giavarina, no centro da cidade. Há sete anos a pintura foi tombada, por decreto municipal, como patrimônio artístico, histórico e cultural de Apucarana.

continua após publicidade

Nos meses anteriores ao tombamento, o painel se transformou numa polêmica na cidade. Sem manutenção desde a pintura, realizada em 1997, a obra estava apresentando desgaste e o condomínio cogitou cobrir o desenho com uma pintura nova. Para assegurar a preservação do desenho, a obra foi tombada como patrimônio, via decreto, publicado em 2015.

A prefeitura de Apucarana abriu o processo licitatório, via plataforma eletrônica, com a participação de duas empresas. O artista Márcio de Souza Lutchtemberg, mais conhecido com Zion, foi o vencedor da concorrência. O contrato determina 30 dias para execução, com vigência de 60 dias prorrogáveis, justamente por conta dos serviços contratados dependerem de clima favorável.

“Eu estou muito feliz. Queria muito poder trabalhar na recuperação de uma obra histórica de nossa cidade, uma obra tão querida por nossa gente”, diz o artista local, que neste final de semana participa de um festival de grafite, em Maringá e, dentro de alguns dias, viaja para eventos internacionais na Alemanha, Itália e Grécia, para os quais foi selecionado.

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News