Apucarana

Colégio Polivalente decide hoje se vai virar cívico-militar

Comunidade escolar está sendo convocada para decidir, nesta quarta-feira à noite, sobre o futuro da escola

Da Redação ·
Comunidade escolar do Polivalente participa de consulta pública sobfre futuro da escola
fonte: Sergio Rodrigo/TNonline
Comunidade escolar do Polivalente participa de consulta pública sobfre futuro da escola

O Colégio Estadual Polivalente Carlos Domingos Silva, de Apucarana, pode ser mais uma escola a participar do Programa Nacional de Escolas Cívico-Militares. A comunidade escolar foi pega de surpresa com essa possibilidade, ao longo da semana, e vai decidir o futuro da escola já na noite desta quarta-feira (09), quando acontece uma consulta pública para saber se pais e alunos aprovam ou não a mudança. A direção da escola informa que haverá espaço para que pessoas possam se manifestar durante a consulta.

continua após publicidade

O diretor do Núcleo Regional de Educação de Apucarana, professor Vladimir Barbosa da Silva informou que a proposta para o Polivalente é diferente dos outros três colégios de modelo cívico militar já existentes em Apucarana, no caso, os colégios Tadashi Enomoto, Prefeito Carlos Massaretto e Padre José Canale. O projeto é do Governo Federal, Através do Ministério da Educação em parceria com o Ministério da Defesa, com o envolvimento de militares do Exército, e não de militares da reserva da Polícia Militar do Paraná.

O Polivalente, que fica no Jardim Paulista, foi fundado em outubro de 1976 e atualmente se destaca como um dos melhores colégios do NRE de Apucarana, conforme o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) – Ensino Médio, com média de 55. É o quarto melhor colégio do Estado nesse quesito. O índice saltou de 40 para 55, apresentando o terceiro maior crescimento em todo o Paraná. O Ideb do Polivalente no ensino fundamental é de 58.

continua após publicidade

O professor Hélio Edmur da Silva, que está em seu 14º ano como diretor da unidade, explica que o desejo da direção e docentes era conhecer melhor a proposta para o Polivalente. Chegou-se a cogitar a possibilidade de fazer uma visita a um colégio de Foz do Iguaçu, que adotou esse modelo há uns anos. “Mas não tivemos tempo. A resposta da consulta pública deve ser apresentada já nesta quinta-feira”, disse.

Até onde foram informados, a mudança proposta basicamente acrescentaria algumas disciplinas de civismo, o que implicaria na implantação de seis aulas em todos os turnos e turmas da escola. Com isso, por exemplo, os alunos da tarde sairiam da escola por volta das 18h30, e não mais às 17h, e os da manhã, às 12h45. A princípio, o currículo regular seria mantido, a exemplo do que ocorreria com professores e funcionários, que seriam mantidos. 

O Polivalente foi construído através do Programa Premem (Programa de Extensão e Melhoria do Ensino) em parceria com o Ministério da Educação com a Secretaria de Estado da Educação. Atualmente a escola tem aproximadamente 1.200 alunos nos turnos da manhã e da tarde.

continua após publicidade

 O Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares apresenta um conceito de gestão nas áreas educacional, didático-pedagógica e administrativa com a participação do corpo docente da escola e apoio de militares. A proposta federal é implantar 216 Escolas Cívico-Militares em todo o país, até 2023.        

Segundo informações institucionais do programa, o modelo “tem o objetivo de melhorar o processo de ensino-aprendizagem nas escolas públicas e se baseia no alto nível dos colégios militares do Exército, das Polícias e dos Corpos de Bombeiros Militares”. Os militares atuariam no apoio à gestão escolar e à gestão educacional, enquanto professores e demais profissionais da educação continuarão responsáveis pelo trabalho didático-pedagógico.