Apucarana

Cigarros eletrônicos geram alerta nas escolas de Apucarana

Consumo dos dispositivos disparou entre adolescentes com o retorno das aulas presenciais

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Cigarros eletrônicos geram alerta nas escolas de Apucarana
fonte: TNOnline

Os cigarros eletrônicos têm colocado colégios de Apucarana em alerta. O problema cresceu neste ano, com a retomada das aulas 100% presenciais. A venda desses produtos é proibida no Brasil e especialistas em saúde pública são unânimes em apontar os prejuízos à saúde causados por esses dispositivos. Os estudantes, no entanto, desafiam os professores e o consumo desses cigarros tornou-se uma verdadeira  “febre”.   

continua após publicidade

De modo geral, os cigarros eletrônicos funcionam por meio de uma bateria que esquenta um líquido interno (uma mistura de água, aromatizante alimentar, nicotina, propilenoglicol e glicerina vegetal). Esses dispositivos também são chamados de vaporizadores, pods, e-cigarettes, e-pipes, e-ciggys, entre outros nomes. O produto é tragado pela boca e cria uma fumaça branca, que pode ser sem cheiro ou com um cheiro aromatizado que se dissipa rapidamente no ar.  A venda é feita, principalmente, pela internet, mas é possível encontrar os dispositivos em tabacarias e outros estabelecimentos.

O professor Diego Fávaro Soares, diretor do Colégio Estadual Professor Izidoro Luiz Cerávolo, confirmou que o assunto preocupa a comunidade escolar desde o ano passado, mas ganhou outra dimensão na volta às aulas 100% presenciais. “É uma verdadeira praga em todas as escolas de Apucarana, inclusive nas particulares”, assinala. Ele afirma que o “Cerávolo” ampliou o cerco aos cigarros eletrônicos, colocando inspetores para fiscalizar os alunos, inclusive na rua em frente à escola. Além disso, os professores procuram orientar os adolescentes – os alunos do ensino médio são os principais usuários – sobre os riscos.

continua após publicidade

“Muitos alunos fumam em frente à escola, o que nós também estamos coibindo. Outros se escondem no banheiro. Eles não entendem a proibição e muitos acham que esses cigarros eletrônicos não fazem mal à saúde”, afirma. Ele apreendeu alguns dispositivos, mas a orientação da Patrulha Escolar, da Polícia Militar (PM), é entregar os cigarros eletrônicos aos pais dos estudantes.

O professor Hélio Edmur da Silva, diretor do Colégio Polivalente Carlos Domingos Silva, reafirma o problema. Segundo ele, até mesmo estudantes do ensino fundamental já foram flagrados utilizando esse produto. Ele defende uma medida radical: a instalação de câmeras nos banheiros para fiscalizar os alunos. “As câmeras poderiam ser instaladas de uma forma que não filmem os alunos fazendo suas necessidades. Muitos alunos fumam nos banheiros e fica difícil ter um controle”, diz. Uma palestra está sendo organizada na escola para tratar do tema e dos riscos.

 A professora Cibele Barneze, diretora do Colégio Estadual Nilo Cairo, afirma que combater o cigarro eletrônico é um desafio muito grande por conta das características do produto. Esses dispositivos são mais discretos que um cigarro convencional - alguns se parecem com pen drives - e podem passar despercebidos pelos professores.

continua após publicidade

O chefe do Núcleo Regional de Educação (NRE) de Apucarana, Vladimir Barbosa da Silva, afirma que o órgão está atendo ao problema, orientando as escolas a coibir o consumo desses cigarros. Segundo ele, é uma "moda" que preocupa diante dos graves prejuízos à saúde dos estudantes. 

O sargento Ademir da Silva Matichen, da Patrulha Escolar, afirma que a PM orienta às escolas a recolher os cigarros eletrônicos e depois entregá-los aos pais. O uso não é ato infracional, embora, explica o sargento, a venda do produto para menores ou entre os adolescentes caracterize crime.

O artigo 243 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) proíbe "Vender, fornecer, servir, ministrar ou entregar, ainda que gratuitamente, de qualquer forma, a criança ou a adolescente, bebida alcoólica ou, sem justa causa, outros produtos cujos componentes possam causar dependência física ou psíquica".

continua após publicidade

"Caso seja identificada a pessoa que vendeu ou forneceu substância química que cause dependência física ou psíquica, é feito um boletim de ocorrência e feito o seu encaminhamento à delegacia que tomará as providências cabíveis, chamando o autor para prestar e esclarecimentos e responder pelo ato", explica Matichen.

 ANVISA

continua após publicidade

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está com um processo aberto analisando o consumo de cigarros eletrônicos no Brasil, com o objetivo de discutir a liberação ou não. Na fase atual, o órgão vai receber evidências técnicas e científicas sobre esses produtos, também conhecidos como Dispositivos Eletrônicos para Fumar (DEF).

O objetivo da agência é reunir informações a favor e contra o uso do cigarro com fundamentação científica, fornecidas por pesquisadores e instituições, para embasar decisões futuras envolvendo a comercialização e o uso desses produtos.

A Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) já se posicionou veementemente contra a liberação dos cigarros eletrônicos. Para a entidade, eles são uma ameaça à saúde pública. O médico pneumologista Paulo Corrêa, coordenador da Comissão de Tabagismo da SBPT, explicou que existe uma falsa crença entre os usuários de que a fumaça não faria mal à saúde, porque seria apenas vapor d'água.

O médico da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia também alertou que os cigarros eletrônicos têm um grande apelo entre os jovens, aumentando o índice de novos fumantes no país. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) também se posicionou contra a liberação dos cigarros eletrônicos, e está promovendo um abaixo-assinado sobre o tema.

Atualmente, a resolução em vigor da Avisa proíbe a importação, comercialização e a veiculação de propaganda desses produtos em todo o país. A coleta de informações da agência sobre os dispositivos eletrônicos para fumar vai até o dia 11 de maio. A tendência é que a proibição seja mantida. 

Por Fernando Klein