Mais lidas

    Apucarana

    JUSTIÇA

    Caso Maria Helena: julgamento acontece nesta quinta em Apucarana

    Nesta quinta-feira (23), a partir das 8h, Thomaz Oliveira de Mello será julgado pela morte da mulher; saiba mais

    O assassinato da manicure Maria Helena Bispo Carvalho, de 28 anos, finalmente vai ter um desfecho
    Foto por Arquivo pessoal
    O assassinato da manicure Maria Helena Bispo Carvalho, de 28 anos, finalmente vai ter um desfecho
    Escrito por Da Redação
    Publicado em 21.06.2022, 14:01:40 Editado em 21.06.2022, 14:01:38
    GoogleNews

    Siga o TNOnline
    no Google News

    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.

    Um dos casos mais dramáticos ocorridos em Apucarana, em 2019, que é o assassinato da manicure Maria Helena Bispo Carvalho, de 28 anos, finalmente vai ter um desfecho. Nesta quinta-feira (23), a partir das 8h, Thomaz Oliveira de Mello será julgado pela morte da mulher. 

    O Juri, que estava marcado para acontecer em maio, porém, foi adiado a pedido da defesa, que faz questão que o réu esteja presente ao julgamento. Thomaz Oliveira de Mello, preso desde 2020,  está detido em Santa Catarina, onde cumpre pena de 11 anos de reclusão por um outro caso, naquele estado, de tentativa de feminicídio. 

    O profissional Luciano Henrique será o advogado da família da Maria Helena, a expectativa é que ele seja condenado pelo assassinato e ocultação de cadáver. O caso ganhou dramaticidade porque, durante meses, parentes e amigos não tinham certeza do que havia ocorrido com a manicure, vista pela última vez em 11 de setembro de 2019.

    Ela havia desaparecido e o marido, principal suspeito, fugiu poucos dias depois. O corpo da manicure só foi encontrado oito meses depois, dentro de um poço. O local só foi revelado dois meses depois que o marido foi localizado e preso, em Santa Catarina, já morando com outra mulher.

    Thomaz matou Maria Helena no dia 11 de setembro de 2019 e jogou o corpo dela em um poço, numa chácara localizada no Recanto Belvedere. Mas o crime só foi elucidado seis meses depois, quando ele foi preso, em Santa Catarina, em março de 2020. O corpo de Maria Helena só foi encontrado em maio de 2020.

    Foram meses de drama familiar, enquanto os fatos não eram esclarecidos. Até então, Maria Helena era dada como desaparecida e o marido, suspeito, havia fugido. O casal morava num apartamento na região do Lago Jaboti, com duas crianças.

    Thomaz foi encontrado em São Francisco do Sul, Santa Catarina. Ela já estava morando com outra mulher, que passou a suspeitar dele. Uma pesquisa pela internet teria revelado a condição dele, de foragido e suspeito de homicídio, quando a mulher decidiu chamar a polícia.

    Segundo as investigações do caso Maria Helena, na noite de 11 de setembro de 2019, o casal teve uma discussão e desde então, ela não mais foi vista. Imagens de segurança do prédio onde o casal vivia revelaram que, no dia 12, durante a madrugada, Thomaz saiu com seu veículo e retornou a pé. Ele teria deixado o carro na rua lateral do prédio. Ao amanhecer, o suspeito saiu com a filha de três anos e com o filho de Maria Helena, um menino de oito anos.

    As gravações também revelaram que ele volta para o prédio sozinho. O que chama atenção é que, entre os dias 13 e 14, ele vende alguns móveis do apartamento. No dia 15 ele sai com duas malas e desaparece.


    Gostou desta matéria? Compartilhe!

    Mais matérias de Apucarana

    Deixe seu comentário sobre: "Caso Maria Helena: julgamento acontece nesta quinta em Apucarana"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.