Mais lidas

    Apucarana

    INVESTIGAÇÃO

    Avó que matou homem em Apucarana deixa a prisão

    A avó que matou um homem, de 35 anos, que teria tentado abusar da neta dela deixou a cadeia

    Avó que matou homem em Apucarana deixa a prisão
    Foto por TNOnline
    Escrito por Da Redação
    Publicado em 29.04.2022, 10:47:49 Editado em 29.04.2022, 10:54:15
    GoogleNews

    Siga o TNOnline
    no Google News

    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.

    A avó que matou um homem, de 35 anos, que teria tentado abusar da neta dela deixou a cadeia. Ela foi presa em flagrante por homicídio qualificado no último domingo (24). O alvará de soltura foi cumprido no final da tarde desta quinta-feira (28), confirmou o advogado Pedro Eduardo Ortega, ao site TNOnline. 

    De acordo com a defesa, a avó, de 61 anos, vai responder em liberdade. Ela, além de ser ré primária, tem a guarda definitiva de três netos, uma criança de 8 anos, uma adolescente de 13 e um garoto de 17 anos, especial. "A base do nosso pedido preenche requisitos  para ela responder em liberdade. Ela é ré primária, nunca respondeu um processo, tem residência fixa, tem trabalho, mesmo que informal, mas tem trabalho, está colaborando desde o início com as investigações, tem a guarda definitiva dos netos, o Juiz entendeu nosso pedido", explicou Pedro.

    O advogado acredita que quando a avó amarrou o homem, ele já estava morto. "Tinham outras pessoas na casa, ele morreu por asfixia, de acordo com o laudo do IML, acreditamos que ele morreu após um mata-leão, através de um outro rapaz, e caiu, foi assim que ela conseguiu amarrar ele sem dificuldades. Estamos no início dos trabalhos, vamos começar a elaborar as peças iniciais para defendê- los, preciso sentar com eles, conversar, levantar todos os dados, acredito que, apesar do depoimento dela, acredito na inocência", disse.

    Além da avó, o marido dela e a outra mulher também foram soltos. "Eu advogo para todos, não ficou clara a participação do marido dela no crime, a outra moça também é primária, participação mínima e também possui residência fixa." 

    Relembre: 

    A avó, que matou um homem, de 35 anos, foi autuada em flagrante por homicídio qualificado. O crime aconteceu na tarde de domingo (24), na casa dela, localizada na  Rua Maracahi, na Vila Feliz. A defesa alega que a cliente agiu sob forte emoção. 

    Conforme o advogado Pedro Eduardo Ortega, a avó assumiu toda a responsabilidade. "Ela contou detalhes de como tudo aconteceu, ela tinha uma motivação para isso, o homem que morreu, tentou violentar a neta dela, e ele ainda ameaçou voltar e matar os irmãos da menina. Ela agiu sob forte emoção, ela não se conteve, foi em busca do rapaz, em uma forma de praticar justiça, ela agiu com fúria. Por mais que ela não tenha direito algum de ter feito isso, mas vamos trabalhar para que ela responda em liberdade, é ré primária, vamos trabalhar para que ela tenha os direitos dela respeitados", explica. 

    Ainda de acordo com o advogado, três netos, um deles especial, eram sustentados e moravam com ela. "Ela trabalha com a venda e compra de recicláveis, e os netos viviam com ela. Infelizmente a mãe deles é usuária de drogas e não tem condições financeiras nem psicológicas para cuidar deles. Eles foram levados para ela, que vive em uma chácara, mas é uma situação bem difícil. O jovem especial só aceita tomar remédio com a minha cliente, não aceita outra pessoa. Ela cuidava de todos", disse.

    O homem que morreu, Eduardo Cezar Barbosa Fernandes, recolhia recicláveis na cidade e não tinha nenhum vínculo com a avó. "Ela acolhe esses catadores que vão lá vender pra ela. Nos fundos da casa dela tem um cômodo, um quarto, que ela oferecia pouso, dava café para ele, ele usava o banheiro, quando precisava dormir, às vezes dormia lá, jamais houve a desconfiança de que algum colaborador do reciclável iria praticar um crime contra a família. Sabemos que esse crime gerou uma comoção social, independente de qualquer coisa, o homem que morreu já foi preso por furto, tentativa de estupro, tentativa de homicídio, a sociedade ficou livre de uma situação perigosa, mas sabemos do crime que minha cliente cometeu, ela assumiu isso, e vamos trabalhar para que ela responda em liberdade", finaliza. 

    De acordo com a Polícia Civil, além da avó, de 61 anos, o marido dela, de 28 anos, e uma outra mulher, de 37, que seria namorada do homem que morreu e que  teria participado das agressão, também foram autuados por homicídio qualificado, pois eles teriam participado do crime. 

    Eduardo Cesar Barbosa Fernandes morava na região do Jardim América e familiares já foram até o Instituto Médico Legal (IML) para a liberação do corpo.  Durante entrevista para o site TNOnline, a avó contou detalhes de como a tentativa de abuso aconteceu. "Ela gritou por socorro e ele só não conseguiu violentar ela, pois minha neta é esperta luta karatê, sabe se defender, ele arrombou a porta da nossa casa e foi para o quarto dela, como ela se defendeu ele saiu correndo. Eu deixava ele tomar banho, usar nosso banheiro, não imaginava que ele iria fazer isso. Como ele fugiu, desde cedo estava a procura dele, encontrei ele no Marcos Freire, trouxe ele de volta pra minha casa, e aqui, dei umas pauladas nele, ele caiu, então acabei de matar", disse a avó da menina.

    A avó disse que mesmo sendo presa, não se arrepende do crime. "Não me arrependo, meus netos, minha neta, são preciosos. Matei ele mesmo, meu marido não fez nada, mas eu sei. Pelo menos agora ele não vai mais furtar, roubar e nem estuprar mais ninguém", comenta a mulher. Veja:      

      




    Gostou desta matéria? Compartilhe!

    Mais matérias de Apucarana

    Deixe seu comentário sobre: "Avó que matou homem em Apucarana deixa a prisão"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.