Apucarana

Apucarana adere ao decreto estadual prorrogando restrições

O documento prevê a prorrogação da vigência das medidas preventivas em relação à pandemia.

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Apucarana adere ao decreto estadual prorrogando restrições
Apucarana adere ao decreto estadual prorrogando restrições

O prefeito de Apucarana, Junior da Femac, anunciou no início da noite desta sexta-feira (11), que o município irá recepcionar na íntegra o Decreto Estadual Nº 7893, baixado ontem pelo Governo do Estado. O documento prevê a prorrogação da vigência das medidas preventivas em relação à pandemia do novo coronavírus até o dia 30 de junho.

continua após publicidade

“Estamos acolhendo novamente, de forma integral, o decreto do governo do Estado”, anunciou o prefeito. Ele explicou que, por conta do Dia dos Namorados, foi firmado um acordo com a Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Apucarana (ACIA) e o Sindicato do Comércio Varejista de Apucarana (Sivana), que permite neste sábado o funcionamento do comércio até às 18 horas e de restaurantes e lanchonetes até às 23 horas (mas sem venda de bebida alcoólica a partir das 22 horas).  

Até o dia 30 de junho, de acordo com o decreto estadual, o comércio poderá funcionar no período das 9 horas às 18 horas com 50% da ocupação, as academias das 6 horas às 20 horas com até 30% da ocupação, os shoppings até às 20 horas, com 50% da ocupação, supermercados das 8h às 20 horas com 50% da ocupação e restaurantes, bares e lanchonetes no período das 10h às 20 horas com 50% do público (podendo depois desse horário fazer o atendimento somente na modalidade de delivery). Já aos domingos, todos os estabelecimentos deverão permanecer fechados (com exceção dos serviços essenciais) e somente serão permitidos os serviços de entrega em domicílio.

continua após publicidade

O prefeito Junior da Femac pede encarecidamente a compreensão dos apucaranenses, lembrando que todas essas medidas estão sendo adotadas por conta do crescimento significativo de casos de Covid-19, com a constatação do surgimento das novas variantes de Manaus e a indiana, que são mais contagiantes e agressivas, e que ameaçam a capacidade do sistema público de saúde.