Apucarana

Alerta: 'golpe do nudes' chega em Apucarana

Um morador de Apucarana quase caiu no 'golpe do nudes' e por pouco não perdeu mais de R$ 7.000,00 (sete mil reais)

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Alerta: 'golpe do nudes' chega em Apucarana
fonte: Ilustração/pixabay

Um morador de Apucarana quase caiu no 'golpe do nudes' e por pouco não perdeu mais de R$ 7.000,00 (sete mil reais). Ele procurou o advogado João Aparecido Michelin, que descobriu que o cliente estava sendo chantageado. 

continua após publicidade

Conforme o advogado, através das redes sociais, o cliente conheceu uma mulher, após um período de conversa, ela enviou uma foto mostrando os seios e pediu uma fotografia íntima do morador de Apucarana. 

O homem enviou uma foto e foi aí que o golpe começou. "Depois do envio da foto a mulher, uma pessoa se intitulando ser pai da moça, assumiu a conversa, disse que a filha tinha apenas 14 anos, que a mãe tinha ficado muito nervosa, que quebrou objetos na residência, que ele teria que arcar com o prejuízo. No outro dia, meu cliente recebeu uma foto que parecia ser dentro de uma delegacia e logo após recebeu uma ligação de uma pessoa que disse que seria escrivão da polícia, que entrou em contato para negociar, que a menina estava internada, que os pais iriam gastar R$14.000,00 (quatorze mil reais) para o tratamento psicológico e que ele deveria pagar a metade e assim o caso seria arquivado. O meu cliente também contou que a pessoa ameaçou publicar a foto nas redes sociais e marcar ele", explica. 

continua após publicidade

Ainda de acordo com o advogado, ele acalmou o cliente, fez uma checagem e descobriu que tudo era um golpe. "A conta bancária da pessoa que exigia o valor é do Rio Grande do Sul, estado onde muitos golpes estão acontecendo, fui verificando e descobri que na verdade era uma chantagem que meu cliente estava sofrendo uma tentativa de golpe", disse.

O advogado alerta, é preciso ter muito cuidado. "Meu cliente não caiu no golpe pois me procurou, mas acredito que muitas pessoas acabam depositando valores com medo da exposição, então é preciso tomar muito cuidado, pensar bem ao enviar uma foto íntima".

O golpe

continua após publicidade

Os estelionatários entram em contato com as vítimas via redes sociais. Geralmente, se passam por mulheres jovens, se identificando como maiores de 18 anos, buscando contato com homens mais velhos.

Após algum tempo de conversa, o golpista envia imagens íntimas à vítima. Eventualmente, a vítima começa a receber ligações de supostos pais da mulher e de falsos policiais civis que fazem acusações de pedofilia, já que a pessoa das imagens íntimas seria, na verdade, uma criança ou uma adolescente. Para que o caso não seja denunciado pelos pais ou investigado pela polícia, o estelionatário exige dinheiro.

Para a polícia, a soma de todos esses fatores faz com que as vítimas acreditem que estão falando com policiais ou com os pais da mulher. Para se livrar da responsabilidade criminal, pagam aos golpistas. No entanto, mesmo após os pagamentos, as extorsões continuam.

continua após publicidade

A Polícia Civil de Apucarana, confirmou nesta quarta-feira (8), que uma pessoa registrou boletim de ocorrência referente ao golpe, e que o contato da pessoa envolvida no estelionato também é do Rio Grande do Sul. A polícia vai preparar um levantamento para informar quantos casos já foram registrados na cidade. 

Rio Grande do Sul 

continua após publicidade

No dia 23 de novembro,  três mulheres suspeitas de envolvimento em um esquema conhecido como "golpe dos nudes" no Rio Grande do Sul foram presas. Duas foram detidas em casa no município de Novo Hamburgo, na Região Metropolitana de Porto Alegre, e a terceira em Farroupilha, na Serra, também na residência dela. 

De acordo com a Delegacia de Repressão aos Crimes Informáticos e Defraudações (DRCID), foram cumpridos três mandados de prisão temporária e dez de busca e apreensão nas cidades de Novo Hamburgo, Montenegro, Farroupilha e Caxias do Sul. A polícia apreendeu celulares, um veículo e dinheiro.

A polícia explicou que as três detidas são suspeitas de produzir vídeos para extorquir as vítimas. Neles, as mulheres se passavam pelas mães das mulheres, supostamente menores de idade, que aparecem nas fotos íntimas enviadas pelos estelionatários às vítimas. 

A delegacia de repressão segue investigando outras pessoas que estariam envolvidas.