Apucarana

Adolescente de 15 anos envolvido em briga se apresenta na polícia

Delegado Felipe Ribeiro Rodrigues disse que aguarda resultado de laudo do IML, mas sustenta hipótese inicial de mal súbito como causa da morte

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
Delegado-adjunto da 17ª Subdivisão Policial (SDP) de Apucarana, Felipe Ribeiro Rodrigues
fonte: TNOnline
Delegado-adjunto da 17ª Subdivisão Policial (SDP) de Apucarana, Felipe Ribeiro Rodrigues

O delegado-adjunto da 17ª Subdivisão Policial (SDP) de Apucarana, Felipe Ribeiro Rodrigues, confirmou nesta sexta-feira (24) que o adolescente de 15 anos apontado como principal envolvido na briga com o estudante Alekson Ricardo Kongenski, de 13 anos, se apresentou acompanhado da mãe para prestar esclarecimentos. Alekson morreu na terça-feira (21) após troca de agressões entre menores no Jardim Ponta Grossa. O laudo do Instituto Médico Legal (IML) sobre a causa do óbito, no entanto, ainda não foi concluído.

continua após publicidade

O delegado não quis dar mais detalhes sobre o depoimento do adolescente de 15 anos, que foi colhido na quinta-feira (23), mas observou que não há “nenhum fato novo” no inquérito. Segundo ele, a principal linha de investigação continua sendo de que Alekson morreu após sofrer um mal súbito após o desentendimento entre os adolescentes. No entanto, ele ponderou que aguarda a finalização do laudo da causa da morte. “O médico (legista) do IML pediu exames complementares, que devem ficar prontos dentro de dez dias”, informou o delegado.

Felipe Ribeiro Rodrigues ouviu pelo menos cinco adolescentes envolvidos direta ou indiretamente na briga com Alekson, que ocorreu nas imediações do Colégio Estadual Cívico-Militar Padre José Canale, no Jardim Ponta Grossa, no início da noite de terça-feira (21). As discussões entre os menores ocorreram após o horário de aulas, envolvendo estudantes do "Padre José Canale" e também de outro colégio.

continua após publicidade

-LEIA MAIS: Caso Alekson:"Era meu companheiro para tudo", diz avô; assista

Em entrevista ainda na quarta-feira (22), o delegado disse que a briga ocorreu por “motivos banais”, “da rotina juvenil",  envolvendo diretamente Alekson e o adolescente de 15 anos ouvido nesta quinta-feira na delegacia. “Não envolveu vários contra um. Os outros estavam estimulando. E não foi usado qualquer objeto, como pau ou pedra, ou mesmo alguma arma na briga. Por isso, pelos indícios, a provável causa mortis não seja algum trauma decorrente da briga”, disse o delegado ainda na quarta-feira. 

REPERCUSSÃO 

continua após publicidade

A Secretaria de Estado da Educação e Esportes (Seed-PR) criou uma força-tarefa para acompanhar o caso em Apucarana. Dez psicólogos vão trabalhar na segunda-feira (27) no Colégio PadreJosé Canale, quando as aulas serão retomadas. O objetivo é dar suporte aos estudantes abalados com a morte.

Mudanças na carga horária do colégio também são discutidas, já que muitas mães reclamam da sexta aula, que obriga os alunos a saírem às 18h30.

Alekson foi sepultado nesta quinta-feira (23) no Cemitério Cristo Rei. A família do garoto conta que ele sofria de crise convulsivas e tomava medicação, mas sustenta que a morte foi decorrente da briga e aguarda também pelo desfecho das investigações. 

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News