Apucarana

Abertura de mercados pode aumentar preço da carne; assista

Para Mirinho Moisés, presidente do Sindicato Rural Patronal de Apucarana, a preocupação vai além do preço dos bovinos

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Abertura de mercados pode aumentar preço da carne; assista
Abertura de mercados pode aumentar preço da carne; assista

Apesar da comemoração do Estado do Paraná pela liberação do rebanho de vacinação da febre aftosa, os pecuaristas avaliam que o consumidor poderá pagar mais caro pelo consumo de carne com novos países buscando o mercado pecuário paranaense.

continua após publicidade

Para Mirinho Moisés, preside o Sindicato Rural Patronal de Apucarana, a preocupação vai além do preço dos bovinos. "Isso porquê se tem aftosa na propriedade os mercados restringem também a compra de suínos e até a avicultura fica comprometida pelos clientes", explica.

Ainda assim, o pecuarista classifica o momento como histórico para o Paraná.

continua após publicidade

"O rebanho diminuiu cerca de 20% das 10 milhões de cabeças no Paraná mas a tendência é de aumento no consumo urbano no Brasil e na região não será diferente", ressalta Mirinho.

Assista a entrevista:

 Abertura de mercados pode aumentar preço da carne; assista - Vídeo por: tnonline  

continua após publicidade

O Paraná conquistou na manhã desta quinta-feira (27) a certificação de área livre de febre aftosa sem vacinação, resultado de uma luta de mais de 50 anos do Governo do Estado e do setor produtivo. O novo status sanitário foi confirmado pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), em cerimônia virtual da 88ª Sessão Geral da Assembleia Mundial dos Delegados da OIE, em Paris, na França.

“O Paraná lutava há décadas por essa chancela, que vai mudar o patamar de produção da pecuária paranaense, que já é bastante forte. Com o apoio das entidades do setor produtivo, organizamos toda a estrutura de sanidade animal e fizemos a lição de casa”, afirmou o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

“Nossos rebanhos já não são mais vacinados e há anos o vírus não circula mais no Estado. Esse reconhecimento vai ajudar a abrir mercado para a carne produzida no Paraná, ampliando os investimentos no Estado, que vão gerar mais emprego e renda para a população”, acrescentou.