Apucarana

Mulher é presa quando trazia 7,7 kg de cocaína para Apucarana

Da Redação ·
Mulher é presa quando trazia quase 4 kg de cocaína para Apucarana
fonte: Divulgação/PRE
Mulher é presa quando trazia quase 4 kg de cocaína para Apucarana

Atualizada às 17h43 - Uma equipe das Rondas Tático Móveis (Rotam) da Polícia Rodoviária Estadual (PRE) do Paraná prenderam, por volta das 3h30 da madrugada desta quinta-feira (14), Neiva Severo de Brito, de 40 anos, com quase quatro quilos de cocaína. Os 7,7 quilos do entorpecente estavam envolvidos por fita crepe e "recheavam" um travesseiro. A princípio, a polícia relatou que seriam 3,7 kg da droga, mas após conclusão da pesagem, foi constatado que a pasta base totalizava 7,750 kg. A mulher viajava em ônibus que saiu ontem (13) à noite de Dourados-MS, onde ela pegou o enotrpecente, e iria para Londrina.  Segundo a PRE, a mulher confessou que traria a droga para ser revendida em Apucarana.

continua após publicidade

De acordo com a PRE, o flagrante consumado pela Rotam aconteceu em abordagem de rotina ao ônibus na PR-323, próximo à cidade de Doutor Camargo (32 km a Oeste de Maringá). Na semana passada um casal já havia sido preso em ônibus quase no mesmo local, em Doutor Camrago, com 42 quilos de maconha que seriam trazidos para Apucarana em ônibus de linha.

continua após publicidade

A Cocaína - Neiva reside em Dourados, no Mato Grosso do Sul. Ela revelou aos patrulheiros que receberia R$ 1500 pelo transporte da droga de Dourados até Apucarana. O tóxico deveria ser entregue em Apucarana, mas a mulher não detalhou para quem repassaria o entorpecente.

continua após publicidade

A polícia acrescentou que Neiva já havia sido presa em flagrante por transporte de drogas no ano de 2001, em Iguatemi, no Mato Grosso do Sul, onde cumpriu pena dois anos de prisão.

continua após publicidade

Ele foi encaminhada à 9ª Subdivisão Policial (SDP) de Maringá e autuada em flagrante pelo crime de tráfico de drogas. Se condenada, a mulher pode pegar pena de cinco a 15 anos de prisão.

Os patrulheiros ressaltaram ainda que se vendida no varejo e adulterada (misturada a outras substâncias ou "batizada", na linguagem do tráfico), a cocaína apreendida que seria trazida para Apucarana poderia render crca de R$ 70 mil aos traficantes.