Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Apucarana

Coronavírus muda cenário de Apucarana

.

Ruas vazias: efeito coronavírus. Foto: Tribuna do Norte/Sérgio Rodrigo
Ruas vazias: efeito coronavírus. Foto: Tribuna do Norte/Sérgio Rodrigo

A pandemia do novo coronavírus mudou o cenário de Apucarana. O centro da cidade que antes vivia lotado de pessoas, estava praticamente vazio na tarde desta terça-feira (24), com uma pequena movimentação de veículos e pedestres. A queda no fluxo de pessoas nas ruas da cidade é um efeito do decreto que determinou o fechamento do comércio por 15 dias a fim de evitar a proliferação do vírus na cidade. 

Para a zeladora Rosinei Aparecida de Souza, de 47 anos, a situação gera apreensão. “A gente não tem mais liberdade de sair de casa, porque existe um grande medo de contaminação pelo coronavírus”, comenta.

Ela, que trabalha em uma empresa da área da saúde, afirma que nunca havia passado por uma situação parecida. “Houve a pandemia de H1N1, surto de Ebola e é a primeira vez que vejo isso”, afirma. 

A zeladora Luzia Araújo, de 53 anos, também precisa sair de casa para trabalhar e confessa que está com medo, principalmente porque muitas pessoas não estão levando a situação a sério, principalmente os idosos. "Essas pessoas não entende que devem ficar em casa. É esquisito tudo fechado na cidade. Mas é bom para evitar que o vírus se espalhe”, comenta. 

Luzia tem três filhos que trabalham na Polícia Militar (PM) em São Paulo, capital, e acompanha a situação do Estado. Até a tarde desta terça-feira (24), eram 40 mortes por coronavírus e 810 casos confirmados no Estado paulista. "Um dos meus filhos está tranquilo, mas o outro está desesperado. Lá não tem álcool gel, não tem luvas, máscaras. Aqui em Apucarana está tranquilo, não temos nenhum caso confirmado", comenta. 

Proprietária de uma autoescola, Elizabete Lopes precisou sair de casa para ir ao banco pagar contas. Ela disse que não conseguiu quitar pelo aplicativo e precisou ir pessoalmente usar o caixa eletrônico. “É bem difícil essa situação. Estou apreensiva e preocupada. Só sai de casa porque precisava mesmo”, comenta.

A representante comercial Fabiana Silva, 34 anos, trabalha em Rolândia, município com 79 casos suspeitos do novo coronavírus. "Eu estou assustada, porque muitas pessoas estão saindo de casa com crianças, usando o ônibus. A população não entende que somente as pessoas que trabalham em serviços essenciais podem sair de casa. Eu mesmo, trabalho em uma empresa do ramo alimentício", afirma. 


O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas de Apucarana

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber