Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Apucarana

Comemoração do mês da mulher tem início em Apucarana

.

(Divulgação)
(Divulgação)

A Comissão da Mulher Advogada da OAB de Apucarana, com apoio da Secretaria Municipal da Mulher e Assuntos da Família, promoveu uma palestra sobre “A justiça restaurativa e o resgate da mulher encarcerada” na noite desta quarta-feira (4), no auditório da entidade. 

O encontro trouxe à cidade o desembargador e vice-presidente do TJ-PR, José Laurindo de Souza Netto, o juiz de Maringá Claudio Camargo dos Santos e a psicóloga Aline Fioravante, de Londrina. O prefeito Júnior da Femac foi representado pela secretária da Mulher Denise Canesin.

Em sua fala de apresentação do desembargador, o juiz Oswaldo Soares Neto, diretor do Fórum de Apucarana, destacou o papel desempenhado pela justiça restaurativa. “Repensar sempre a melhor forma de se fazer justiça é nossa missão enquanto operadores do Direito”, disse. “Que se iniciem, em Apucarana, os trabalhos da justiça restaurativa.”

O desembargador José Laurindo de Souza Neto iniciou a exposição elogiando o município. “É uma outra cidade. Ele criticou a superlotação dos presídios brasileiros, dizendo que eram “barbáries institucionalizadas que podem se tornar um incentivo para cometer outros crimes”. Ao longo da palestra, elaborou comparativos entre a justiça punitiva-retributiva, modelo mais amplamente empregado, e a justiça restaurativa.   

Incentivada pelo Conselho Nacional de Justiça, a prática da justiça restaurativa funciona há cerca de 10 anos e tem se expandido no Brasil. É uma técnica de solução de conflitos baseada na escuta do ofensor e da vítima, que pode e vem sendo utilizada em crimes de pequeno e médio potencial ofensivo, em casos de violência doméstica e no auxílio de medidas socioeducativas cumpridas por adolescentes, com práticas diversificadas.

Souza Neto defendeu a importância da justiça restaurativa para evitar o aprisionamento das mulheres. Segundo ele, entre 2000 e 2016, houve o dobro de encarceramento feminino do que a prisão de homens. Além disso, mais de 40% das detentas cumprem prisão provisória e muitas delas acabam sendo absolvidas.  

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas de Apucarana

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber