Apucarana

I Encontro de Escritores Apucaranenses é sucesso de público e crítica

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia I Encontro de Escritores Apucaranenses é sucesso de público e crítica
I Encontro de Escritores Apucaranenses é sucesso de público e crítica

O dia havia dado em chuvoso e em ventania, propício para ficar em casa. Os tempos de primazia da imagem e das redes sociais de comunicação instantânea levavam a pensar que pouco se escrevia e que quase nada se lia. As premissas, portanto, soariam desanimadoras para um encontro de escritores numa cidade de médio porte, encontro local, de escritores locais. Mas quem passasse em frente ao Cine Teatro Fênix na noite desta quarta-feira ficaria surpreso. Era difícil transitar entre as mesas. O burburinho de todos falando ao mesmo tempo podia ser ouvido do outro lado da rua.

continua após publicidade

Havia muita gente interessada nos livros dos 30 autores apucaranenses. E como quem escreve quer, sobretudo, ser lido, os autores se mostravam comunicativos e contentes com o público presente. A secretária de Cultura, Maria Agar, destacou a felicidade de ter reunido gerações diferentes de autores numa mesma sala, ao mesmo tempo. “Temos decanos das letras de Apucarana e gente que está começando agora. Temos rascunhos de livros. Acho que esse é um momento mágico, com todos interagindo”, disse.

Uma das escritoras presentes, Mara Ivete Santos Luz, declara o amor à cidade em que nasceu e cresceu em seus livros, entre eles “Pé no Chão, Rosto ao vento… e outros tempos”, “Unhas Vermelhas Poéticas”. Ela afirma que escrever é uma maneira de devolver à cidade um pouco de tudo que Apucarana ofereceu a ela de riqueza “cultural, social, econômica e histórica”.

continua após publicidade

Para Ivete, o encontro dos escritores se reveste de fundamental importância em especial para aqueles que ainda estão no anonimato. Para ela, há uma literatura riquíssima na cidade. “Acredito que, assim como antes de começar a publicar muitos escritores locais me influenciaram, da mesma maneira um encontro como esse é fundamental para as futuras gerações. Estamos semeando literatura e arte poética”, profetizou Ivete.

DECANOS O coordenador de Filosofia e Ensino Religioso do Núcleo Regional de Educação de Apucarana, professor Luiz Antônio Burim, destacou a relevância do encontro por reunir decanos das letras do município e do Estado do Paraná. “Fico emocionado neste evento maravilhoso. Reunir nomes da envergadura dos professores Francisco Dias Soares Sobrinho e Braz Miranda de Sá, e do Dr. Fahed Daher, é muito enriquecedor para o município e para o Estado do Paraná. Quero parabenizar a secretaria da Cultura por essa ideia.”

Para Bruno Augusto Monteiro Gonçalves, professor de literatura e palestrante da noite, ver o número expressivo de pessoas reunido em torno de um bem comum, todos amantes da literatura, o deixava encantado. “Quem tem um livro nunca padecerá de falta de amizade. É o que costumo dizer aos meus alunos.”

continua após publicidade

Ele falou sobre “Gêneros Literários” ao longo da história. Para a palestra, estavam os estudantes Ana Isabela Vieira e Vitor Fidelis. Ana soube do encontro pelo Instagram de um grupo de poetas da cidade, e achou o encontro bem organizado. “Poderia acontecer mais vezes na cidade.” É o que promete a secretária Maria Agar que, entusiasmada, adiantou que aquele era só o primeiro momento e que, em breve, haverá oficinas para os jovens.

CEU Há pouco mais de um mês, a Prefeitura cedeu uma sala no complexo da Praça CEU (Centro de Artes e Esportes Unificados) para que a Academia de Letras, Artes e Ciências Centro-Norte do Paraná pudesse dispor de um espaço próprio.                 “A praça vem se tornando uma referência cultural: tudo acontece naquele espaço aberto, aliás aberto à todas as secretarias e organizações não governamentais, uma mostra do suporte que a prefeitura dá aos eventos culturais”, salienta a secretária Maria Agar.