Apucarana

Trabalhadores protestam em Apucarana; MST abre cancelas de pedágio em Arapongas

Da Redação ·
Até uma réplica de caixão funerário foi usada em Apucarana para manifestar contrariedade em relação à Reforma da Previdência Foto: TNONLINE​\
Até uma réplica de caixão funerário foi usada em Apucarana para manifestar contrariedade em relação à Reforma da Previdência Foto: TNONLINE​\

Várias categorias de trabalhadores realizam, nesta segunda-feira (19), uma série de mobilizações para protestar contra a reforma da Previdência. A votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC), do governo federal, deveria aconter hoje, mas saiu da pauta da Câmara dos Deputados na última semana por causa da intervenção no Rio de Janeiro.

continua após publicidade

Em Curitiba, a partir das 8h, uma concentração foi realizada na esquina da Rua João Negrão com a Marechal Deodoro. De lá, segundo a Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Paraná, os trabalhadores seguiram para a prédio do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), na Praça Santos Andrade. 

A maioria dos manifestantes são bancários, vigilantes, professores e petroleiros. As 14h, deve haver panfletagem e manifestação na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). Conforme os trabalhadores, nenhum serviço deve ser afetado, pois as mobilizações são pontuais.

continua após publicidade

Em Apucarana (norte do Paraná), bancários, professores e integrantes de outras categorias profissionais foram até a Praça Rui Barbosa para protestar. Até uma réplica de caixão funerário foi usada para manifestar contrariedade em relação à Reforma da Previdência. Os manifestantes realizaram uma caminhada em volta das duas praças mais centrais da cidade. 

Já em Maringá, também no norte do Estado, o escritório político do Ministro da Saúda, Ricardo Barros, foi invadido por manifestantes.

Trabalhadores protestam em Apucarana; MST abre cancelas de pedágio em Arapongas fonte: Reprodução

Foto: TNONLINE

continua após publicidade

"A mobilização foi convocada pelas centrais sindicais em todo o País e a Frente Brasil Popular organiza o movimento de luta contra a Reforma da Previdência, que vai tirar direitos e prejudicar, principalmente a parte da população mais pobre e mais carente e ainda as mulheres", afirma a professora a Marlene Aparecida Pavani, presidente da APP-Sindicato em Apucarana.

Trabalhadores protestam em Apucarana; MST abre cancelas de pedágio em Arapongas fonte: Reprodução

As cancelas do pedágio foram abertas pelo MST e os motoristas
passam sem pagar a tarifa em Arapongas - Foto: PRF

MST abre pedágio em Arapongas
Em Arapongas, Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), se concentraram na praça de pedágio da BR-369. As cancelas foram abertas e os motoristas passam sem pagar a tarifa.

continua após publicidade

De acordo com as informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o movimento afirma que 1 mil integrantes participam da ação, no entanto, a estimativa da polícia é sejam cerca de 300 pessoas.

“A mobilização está crescendo em todo o Brasil. Em São Paulo, por exemplo, os motoristas de ônibus já anunciaram que vão cruzar os braços. Precisamos colocar, definitivamente, um fim nesse projeto que significaria o fim da aposentadoria”, avalia a presidente da CUT Paraná, Regina Cruz.

continua após publicidade
Trabalhadores protestam em Apucarana; MST abre cancelas de pedágio em Arapongas fonte: Reprodução

Foto: TNONLINE

Professores participam do protesto
A APP-Sindicato também convocou os professores para a mobilização. A adesão é voluntária. No Paraná, cerca de 1 milhão de alunos voltam às aulas hoje, em 2.148 escolas da rede estadual de ensino. Só em Curitiba são 163 colégios com quase 152 mil estudantes.

O governo do Paraná estima baixa adesão ao movimento e orienta os pais a levarem seus filhos normalmente para a escola. Segundo a Secretaria de Estado da Educação (Seed), professores que não aparecerem em sala de aula, sem justificativa, terão a falta lançada e os salários descontados.

Trabalhadores protestam em Apucarana; MST abre cancelas de pedágio em Arapongas fonte: Reprodução

Foto: TNONLINE

Discussão adiada
O governo federal pretendia votar a reforma da Previdência nesta segunda-feira, porém, a Constituição não pode ser alterada em caso de intervenção federal – como a que acontece no Rio de Janeiro -, de estado de defesa ou de sítio.