Apucarana

Apucaranenses conquistam mil medalhas na Olimpíada Brasileira de Astronomia

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Apucaranenses conquistam mil medalhas na Olimpíada Brasileira de Astronomia
Apucaranenses conquistam mil medalhas na Olimpíada Brasileira de Astronomia

Pelo quarto ano consecutivo os alunos das escolas da rede Municipal de Ensino de Apucarana apresentaram um significativo crescimento na Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica, que chegou à sua 20ª edição neste ano. Um total de 1.002 crianças da 3ª a 5ª série conquistaram medalhas de ouro, prata ou bronze. A premiação aconteceu na noite de ontem (4), no Ginásio de Esportes Lagoão.

continua após publicidade

A OBA é uma iniciativa anual da Sociedade Astronômica Brasileira e da Agência Espacial Brasileira, órgão vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, que tem como objetivo estimular o interesse das crianças e jovens pela Astronomia, Astronáutica e ciências afins, promovendo o conhecimento de forma lúdica e cooperativa.

Esse ano, a olimpíada envolveu aproximadamente 660 mil estudantes de escolas públicas e privadas brasileiras. “Em todo o Paraná, 3.200 alunos foram premiados, sendo que 1.002 são de Apucarana. As escolas, os professores e, principalmente, as crianças estão de parabéns,” destacou o prefeito Beto Preto. Ele ressaltou que proporcionalmente, de cada três paranaenses premiados, um foi de Apucarana.

continua após publicidade

As notas mínimas necessárias para a conquista de medalhas foram 9,3 para bronze, 9,6 para prata e 10,0 para ouro. A rede municipal de ensino apucaranense assegurou 287 distintivos de bronze, 245 de prata e 470 de ouro.

“Apesar de não serem atividades obrigatórias, nós sempre incentivamos as crianças a participarem de concursos e provas que possam contribuir para a formação delas,” afirma a secretária municipal de educação, Marli Fernandes.

O número de medalhas conquistadas pelos alunos da rede municipal apucaranense cresce a cada ano. Eles ganharam de 220 prêmios em 2014, 446 em 2015, 823 em 2016 e 1.002 em 2017.

O aluno Guilherme Maciel, da Escola Municipal Juiz Luiz Fernando de Araújo Pereira, classificou como médio o nível de complexidade da olimpíada desse ano. “A prova estava mais ou menos difícil, mas foi muito legal de fazer. Essa é a segunda vez que eu ganho uma medalha de ouro,” afirmou.