Apucarana

Câmara de Apucarana aprova pacote de projetos

Da Redação ·
Câmara de Vereadores de Apucarana aprovou ontem (31) à tarde um pacote de matérias de autoria do Executivo - Foto: tribuna do Norte
Câmara de Vereadores de Apucarana aprovou ontem (31) à tarde um pacote de matérias de autoria do Executivo - Foto: tribuna do Norte

A Câmara de Vereadores de Apucarana aprovou na sessão ordinária de ontem (31) à tarde um pacote de matérias de autoria do Executivo e também do Legislativo. Como a maioria das matérias estava em segunda votação e não gerava polêmica, as propostas foram aprovadas sem maiores discussões.

continua após publicidade

De autoria do Executivo foram aprovados cinco projetos: que autoriza o Município a alienar imóvel em favor da empresa Ober Indústria e Comércio de Paletes; que permite a escrituração de um imóvel pela empresa PR Sul Máquinas Serigráficas; que autoriza alienação de imóvel em favor da empresa L. Tavares Lavanderia; que autoriza a abertura de crédito adicional suplementar no valor de R$ 160 mil; e que revoga o artigo 2º da Lei nº 182 de 16 de outubro de 2012.

Também foram aprovados um projeto do vereador e presidente do Legislativo, Mauro Bertoli (DEM), que declara de utilidade pública a Associação Musical Mosqueteiro de Apucarana; um projeto dos vereadores Rodolfo Mota (PSD) e Edson da Costa Freitas (PPS), que oficializa outubro como sendo mês da campanha de incentivo à saúde da mulher, em especial de prevenção ao câncer de mama; além de dois requerimentos do vereador Luciano Augusto Molina (Rede), um que pede informações ao Executivo sobre o uso do segundo e terceiro andar do prédio do Cine Teatro Fênix, e outro que trata da construção de galerias pluviais e pavimentação asfáltica na Rua José Bossato, no Recanto do Lago.

continua após publicidade

O projeto de Rodolfo Mota e Professor Edson havia sido retirado de pauta na sessão passada por pedido de vistas feito pelo vereador Luciano Molina. A matéria voltou à ordem do dia ontem, acompanhada de um parecer contrário da assessoria jurídica, sob o argumento de ser inconstitucional por gerar despesas ao Município. No entanto, vereadores votaram favorável pelo fato de já ter sido aprovado projeto idêntico relativo ao dia do doador de sangue.