Apucarana

Requerimento gera polêmica na Câmara de Apucarana

Da Redação ·
Vereadores durante sessão  nesta segunda-feira (Foto: Divulgação)
Vereadores durante sessão nesta segunda-feira (Foto: Divulgação)

Um requerimento do vereador Rodolfo Mota (PSD), apresentado na sessão ordinária desta segunda-feira à tarde (18) da Câmara de Apucarana, acabou gerando polêmica e foi alvo de questionamentos no Plenário. Mota pede informações ao Executivo sobre em que situação estão benefícios salariais garantidos ao funcionalismo municipal na Lei nº 58/1997, que dispõe sobre Sistemas de Cargos e Carreira, e também aos servidores da Autarquia Municipal de Saúde (AMS) previstos na Lei nº 68/1997.

continua após publicidade

O vereador Lucas Leugi (Rede) disse não entender o requerimento de Mota,
considerando seu conteúdo muito genérico e que não especifica a partir de que período ele quer saber a situação desses benefícios. “O nobre vereador
trabalhou quatro anos no setor jurídico da Prefeitura, sabe de tudo sobre o
passivo existente e vem com um requerimento deste?”, indagou Leugi. “Este
vereador sabe que o prefeito Beto Preto é quem concedeu avanços salariais ao funcionalismo e dialoga com o sindicato. Você está do lado do prefeito do povo ou da oposição? Está do lado de quem está alavancando Apucarana ou do lado da oposição que estagnou o Município”, esbravejou Leugi. 

O vereador Luciano Molina (Rede) também questionou o requerimento de Mota. Ele disse ser testemunha dos muitos avanços salariais que a atual administração concedeu aos servidores, principalmente em 2015 e 2016. 

continua após publicidade

Já a vereadora Márcia Regina de Sousa (PSD) lembrou ao vereador Mota que no site da Prefeitura há uma matéria datada de 29 de janeiro de 2016 tratando dos avanços salariais concedidos aos servidores municipais e da saúde. 

No final das discussões, Mota explicou que apenas fez um pedido de informações sobre quanto servidores ainda não tiveram tais benefícios e que parabeniza a administração municipal pelo que já foi feito. Apesar da polêmica, o requerimento foi aprovado por unanimidade.