Mais lidas
Apucarana

Bombeiros combatem incêndio próximo a centro de assistência social

.

​Queimada provocou “chuva de cinzas” em bairro de Apucarana - Foto - Luiz Demétrio/TNONLINE
​Queimada provocou “chuva de cinzas” em bairro de Apucarana - Foto - Luiz Demétrio/TNONLINE

Bombeiros agiram rápido na tarde desta segunda-feira (17) para debelar um incêndio ambiental ocorrido próximo ao Centro de Referência da Assistência Social (CRAS) situado na Avenida Central do Paraná, no Jardim América, zona norte da cidade.

De acordo com os Bombeiros, as chamas foram apagadas sem maiores problemas, mas nenhum suspeito de originar a queimada foi identificado.

30 situações do gênero em duas semana
Em duas semanas, o Corpo de Bombeiros registrou 30 situações de incêndio ambiental, o que corresponde a 44% das ocorrências do gênero neste ano em Apucarana. 

O capitão Jeferson José Rossato, do Corpo de Bombeiros de Apucarana, observa que, com o tempo mais seco, as queimadas começam a surgir. “De janeiro até agora foram registradas 67 ocorrências. Deste total, 18 ocorreram em junho e 30 somente nos primeiros treze dias deste mês”, ressalta.

Ou seja, 70% dos incêndios ambientais ocorreram em menos de 45 dias. Entretanto, Rossato chama a atenção que a maioria dos casos de incêndios ambientais é intencional. “Assim que começa o período de estiagem, as queimadas também têm início e são, na maioria das vezes, provocadas”, frisa.

Ele explica que as pessoas têm por hábito limpar o terreno baldio ou eliminar o lixo colocando fogo, o que gera danos ambientais. “O ato de queimar o lixo no fundo do quintal é considerado crime ambiental, assim como colocar fogo em terreno baldio para fazer a limpeza”, comenta, reforçando que a roçagem é o método mais indicado para limpar terrenos baldios. Já o lixo deve ser descartado na coleta.

Risco de alastramento
O oficial dos Bombeiros alerta ainda que, não raro, o fogo pode ganhar proporções maiores avançando para outras áreas colocando em risco a vida das pessoas. “Com o tempo mais seco, a fumaça e a fuligem agravam ainda mais as doenças respiratórias, que afetam principalmente as crianças e idosos. Além disso, quando próximo às rodovias, os incêndios ambientais podem provocar acidentes graves. A conscientização da população é o principal meio para evitar incêndios ambientais”, alerta.

Crime ambiental
O responsável por incêndios irá responder por crime ambiental, que prevê pena de reclusão, de dois a quatro anos, e multa. Se o crime não for intencional, a pena é será de detenção de seis meses a um ano, e multa.

Com informações da Tribuna do Norte - Diário do Paraná

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber