Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Apucarana

Artista plástico apucaranense recupera imagens sacras

.

Cerca de 250 imagens sacras já passaram pelo ateliê do artista plástico. Foto: Sérgio Rodrigo
Cerca de 250 imagens sacras já passaram pelo ateliê do artista plástico. Foto: Sérgio Rodrigo

Imagens sacras fazem parte do cotidiano de católicos há séculos. É comum fiéis, aos pés de santos e santas, fazerem pedidos nas horas de angústias e agradecerem bênçãos alcançadas. Porém, tão comum quanto a tradição, é o desgaste causado pelo tempo. Quebrados, santas e santos, não raro, são tirados do altar e colocados de lado, guardados. Com o intuito de trazer de volta essas imagens à cena religiosa, o artista plástico apucaranense Adenilson Nunes de Oliveira, 38 anos, trabalha para recuperar a história e a religiosidade de cada peça. Em seis anos, já passaram pelo seu ateliê, em Apucarana, cerca de 250 imagens sacras, vindas de igrejas e da casa de fiéis de várias cidades da região.

Um dos maiores projetos comandado por Deni, como é mais conhecido, é o da Paróquia Santo Antônio de Pádua, do Distrito de Pirapó. Vinte e quatro imagens serão restauradas até a comemoração do cinquentenário, que acontecerá em 2019. Sete peças já foram completamente restauradas desde o início do projeto em outubro do ano passado. Entre elas, a imagem do Senhor Bom Jesus, que faz parte do acervo religioso da paróquia desde a década de 1960, quando ainda era uma capela de madeira, mas há décadas estava guardado no sótão justamente por causa do desgaste em sua pintura. Católico e devoto de Santo Antônio, Deni faz o trabalho de forma voluntária para a paróquia, cobrando apenas o material. Em outras situações, o valor do restauro custa em torno de 10% da peça. 

“As imagens não são para serem adoradas, mas existem como exemplos de virtude a serem seguidos”, diz o padre Fernando Rodrigues Caldeira, pároco da Paróquia Santo Antônio de Pádua.O projeto de restauração da paróquia integra um projeto maior, de restauração da própria igreja para o cinquentenário. Além da reforma no salão paroquial. “Igreja não reforma, restaura, por manter sua originalidade, história e afetividade”, afirma o padre.

Bacharel em Belas Artes, Deni, desde menino já demonstrava habilidade ao esculpir imagens em argila e barro. O que era brincadeira de criança virou profissão meio por acaso, uma vez que no universo das artes, a música foi a área escolhida para a especialização, o que também rende frutos. Deni é regente do coral Sagrada Família, da paróquia Santo Antônio de Pádua, com o qual gravou o CD “Missa Sertaneja”. 

o artista plástico trabalha para recuperar a história e a religiosidade de cada peça. Foto: Sérgio Rodrigo

O envolvimento com as ações da igreja foi decisivo para o início do processo de restauração das imagens. “A restauração é uma maneira de evangelizar também, de respeito com o sagrado, além do valor histórico da própria peça e afetivo para os fiéis, que recorreram aos santos em tantos momentos de angústia”, define.
Pesquisa faz parte do processo No trabalho de restauração, Deni conta com ajuda da sócia Daniele Cordeiro, de 35 anos. 

Ele revela que para dar início à restauração é preciso pesquisar as tintas usadas originalmente, para identificar exatamente a tonalidade usada. Em alguns casos é preciso também pesquisar sobre a própria história do santo. Como exemplo, ele cita a história de São Roque. Quando a imagem chegou ao ateliê, duas dúvidas surgiram: o animal aos pés do santo era uma ovelha ou cachorro? E o que estava na boca deste animal era um pedaço de carne? Uma pesquisa realizada pelos restauradores concluiu que o animal era um cachorro. E mais: não se tratava de um pedaço de carne, mas de pão. 

“Cada imagem que chega aqui carrega uma história, que vai além da história propriamente do santo ou da santa, mas de famílias, porque a imagem acompanha a família por anos, o que gera um valor afetivo muito grande e respeito”, diz. Deni conta que é pelo respeito que muitas famílias procuram o serviço de restauração. 

“Muitos não procuram simplesmente porque não sabem da possibilidade de restaurar uma imagem nem do valor da peça. Quando vão fazer um orçamento de uma nova imagem é que descobrem o quanto vale”, comenta.Como exemplo de respeito, ele conta o caso de uma família católica, que tinha uma imagem de São José em casa durante anos. 

“Quando a família passou a frequentar uma igreja evangélica e mudou de religião, por respeito à imagem, doou à igreja que frequentava antes”, revela.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Apucarana

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber