Apucarana

Em reforma, “igrejinha” da Água da Juruba é alvo da ação de vândalos

.

Igreja São João Batista passou a ser alvo de vândalos nos últimos meses. Foto: Sérgio Rodrigo
Igreja São João Batista passou a ser alvo de vândalos nos últimos meses. Foto: Sérgio Rodrigo

Referência de fé há 74 anos para os moradores da localizada rural Água da Juruba, a Igreja São João Batista passou a ser alvo de vândalos nos últimos meses. Considerada a primeira capela do município de Apucarana, o imóvel passa por uma ampla reforma custeada pelos próprios moradores, que frequentam o templo religioso há décadas, e colaboradores de outras localidades. As obras, que receberam um investimento aproximado de R$ 50 mil, também estão na mira dos criminosos. Ontem de madrugada parte do muro, que foi construído durante o dia anterior, foi derrubado.

A reforma na igreja, que pertence a Paróquia Cristo Sacerdote, começou em julho após um mutirão promovido pela comunidade para levantar o valor necessário. Segundo o pároco Marcos Teixeira, neste período, a igreja foi arrombada três vezes. 

“As portas foram arrombadas e as janelas quebradas durante as invasões”, revela.Na última semana, latas de tintas também foram furtadas. “Ontem, depois que os pedreiros foram embora, alguém foi até o local e derrubou a fundação do muro, e retirou todas as barras de ferro. Destruíram tudo o que foi feito durante o dia”, lastima. O padre lamenta a situação, uma vez que o trabalho é fruto do empenho de toda uma comunidade. “Além dos moradores, pessoas de outros locais, como de Maringá, também contribuíram com a reforma. 

A Igreja São João Batista não é um patrimônio da Igreja Católica, mas de Apucarana, porque faz parte da história do município. A nossa intenção, ao fazer o esforço de manter as características originais, é justamente preservar um patrimônio histórico, que é referência de fé para uma comunidade inteira ”, diz. 

O pároco explica que, com a reforma, o imóvel recebeu pintura nova, o telhado foi trocado e a torre foi totalmente restaurada, além do alicerce, que por passou manutenção. Além das melhorias no imóvel, o religioso explica que um muro é construído nas laterais e, na parte da frente, será colocado um alambrado. 

“A opção pelo alambrado é justamente para que as pessoas, que passam pela estradinha, possam ver a igrejinha, ao mesmo tempo que mantemos o imóvel em segurança”, sublinha.

Investigações
O advogado Celso Godoy, que atende a Diocese de Apucarana, diz que as investigações, que deverão ser feitas pela polícia, irão apontar os autores dos atos praticados contra a Igreja São João Batista. A Diocese já registrou pelo menos quatro boletins de ocorrências relatando os fatos à autoridade policial. “Na próxima semana também vamos entregar um ofício pessoalmente à Polícia Militar, para que possa intensificar a patrulha rural nesta região”, adianta.