Apucarana

Mulheres protestam em frente ao minipresídio de Apucarana

.

Esposas e parentes de presos afirmavam que a visita estava indefinida por causa da greve. Foto: Delair Garcia
Esposas e parentes de presos afirmavam que a visita estava indefinida por causa da greve. Foto: Delair Garcia

Um grupo de mulheres realizou um pequeno protesto em frente ao minipresídio de Apucarana na tarde de terça-feira (18). Esposas e parentes de presos, elas afirmavam que a visita semanal, realizada toda quarta-feira, estava indefinida com a greve dos policiais civis. No final da tarde de ontem, os agentes penitenciários confirmaram que a visitação vai acontecer normalmente nesta quarta-feira (19).

A situação foi provocada pela greve da Polícia Civil, deflagrada na 17ª Subdivisão Policial (SDP) de Apucarana nesta semana. “Com os policiais civis em greve, não tem como fazermos as visitas. Eles auxiliavam os agentes carcerários na segurança do minipresídio. Eles também faziam a escolta de presos doentes para serem tratados no hospital e também auxiliavam no banho de sol. Isso eles não têm mais”, disse a professora Ana Caroline de Oliveira, cujo marido encontra-se preso na unidade. O investigador da Polícia Civil e delegado sindical em Apucarana, Rômulo Cardoso explica que uma das principais reclamações dos policiais é justamente o desvio de função. 

“Não somos agentes carcerários. Não temos que fazer escolta de presos. Ficamos muitos anos fazendo esse serviço e, por isso, muitas pessoas pensam que essa é uma atribuição nossa, mas não é. Presídio é atribuição dos agentes carcerários”, explica. Após horas de indefinição, agentes carcerários se reuniram com membros do Judiciário no final da tarde de ontem. Na reunião, ficou acordado que a visitação aconteceria normalmente.