Apucarana

Estado garante R$ 6 milhões para construção de nova maternidade em Apucarana

Da Redação ·
O investimento fará parte da ampliação do Hospital da Providência. (Foto: TNOnline)
O investimento fará parte da ampliação do Hospital da Providência. (Foto: TNOnline)

O secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, anunciou nesta quinta-feira (11) o investimento de R$ 6 milhões para a ampliação do Hospital da Providência, em Apucarana. O recurso estará reservado no orçamento estadual para 2017 e será aplicado na obra de construção do 3º pavimento da unidade, que deve abrigar a nova maternidade do hospital.

continua após publicidade

O local terá 2,4 mil metros quadrados e vai alocar a estrutura da UTI neonatal, do centro obstétrico, do setor de pediatria e das alas de internação. "Trata-se de um investimento que vai transformar a realidade deste hospital, que hoje funciona em dois prédios distintos. Essa mudança vai qualificar o atendimento de gestantes e bebês, além de gerar uma economia significativa aos cofres da instituição”, ressaltou Caputo Neto.

O projeto da maternidade está em fase final de conclusão e será entregue à Secretaria da Saúde nos próximos meses. O custo da obra completa está estimado em R$ 10 milhões e contará também com recursos oriundos de doações da comunidade. A intenção é iniciar os trabalhos no ano que vem.

continua após publicidade

Ao todo, serão nove salas cirúrgicas, duas salas de parto, uma banheira para parto humanizado, sete boxes de observação, uma sala para parturientes, consultórios clínicos e uma unidade de cuidados intermediários, especial para receber recém-nascidos que tiverem alta da UTI neonatal. O espaço terá um acesso exclusivo, separado ao pronto-socorro.

De acordo com o secretário, o apoio à obra é um reconhecimento ao trabalho de excelência desenvolvido pela instituição, que é referência de atendimento a gestantes e bebês de 17 municípios. “Sabemos da importância deste hospital para toda a região. Por isso, o incluímos na Rede Mãe Paranaense e ainda destinamos recursos de custeio mensal para ajudar na manutenção desses serviços que salvam vidas”, destacou.

Por ano, o governo estadual destina à unidade cerca de R$ 2 milhões através do programa HospSUS, de apoio e qualificação dos hospitais públicos e filantrópicos do Paraná. Além disso, a instituição recebe constantemente uma série de aparelhos e mobiliário para reforçar a estrutura do serviço.

continua após publicidade

EQUIPAMENTOS
Na quinta-feira (11), o Hospital da Providência recebeu um novo lote de equipamentos do Estado, no valor de R$ 800 mil. Entre os itens cedidos estão quatro ventiladores pulmonares, quatro oxímetros, dois aparelhos de fototerapia, um arco cirúrgico, carrinho de anestesia, cardioversor com desfibrilador, monitor multiparamétrico, monitor de batimento cardíaco, eletrocardiógrafo e incubadora para recém-nascidos.

A diretora-geral da instituição, Irmã Geovana Aparecida Ramos, explica que os aparelhos vão renovar o parque tecnológico do hospital e ainda reduzir os custos com a locação de equipamentos. “O arco cirúrgico que estávamos utilizando tem mais de 12 anos e já não havia conserto. Se quebrasse, teríamos que suspender as cirurgias. Já o carrinho de anestesia e a incubadora eram alugados, o que fazia com que o atendimento fosse limitado”, revelou.

Atualmente, o atendimento no Hospital da Providência é dividido em prédios, sendo um específico para atendimento materno-infantil (alugado) e outro com estrutura de hospital geral (sede própria). São 192 leitos gerais para o SUS, incluindo 16 de UTI adulto, oito de UTI neonatal e dois de UTI pediátrica. 

continua após publicidade

A maternidade do hospital tem realizado, em média, 200 partos mensais de risco intermediário e alto risco. No Pronto Socorro, a média de atendimentos chega a pouco mais de dois mil por mês. Já no setor materno-infantil, são pelo menos 1,1 mil atendimentos ambulatoriais no mesmo período. Somando as duas unidades, foram cerca de 17 mil internamentos no ano passado. “Cerca de 80% dessa produção é voltada aos pacientes da rede pública de saúde”, complementa Irmã Geovana.

Informações: Secretaria de Saúde do Paraná.