Apucarana

Homem é condenado a 13 anos de prisão por induzir menor a matar ex-cunhado 

Da Redação ·
Homem acusado pelo Ministério Público (MP) de induzir um adolescente de 17 anos a matar um homem com tiro no tórax é julgado nesta terça-feira (26)  - Foto: José Luiz Mendes
Homem acusado pelo Ministério Público (MP) de induzir um adolescente de 17 anos a matar um homem com tiro no tórax é julgado nesta terça-feira (26) - Foto: José Luiz Mendes

Um homem acusado pelo Ministério Público (MP) de induzir um adolescente de 17 anos a matar um homem com tiro no tórax foi condenado a 13 anos e 4 meses de prisão em regime fechado, nesta terça-feira (26) no plenário do Fórum Desembargador Clotário de Macedo Portugal, na Comarca de Apucarana (norte do Paraná).

continua após publicidade

José Roberto da Silva, de 36 anos, teria induzido o menor a matar seu ex-cunhado, Rosnei Pereira da Silva, 31, porque este teria "falado alto" com as filhas do réu. 

O crime aconteceu na madrugada de 27 de setembro de 2009, em frente a residência da vítima, na Rua Andídio de Souza Nascimento, no Jardim Colonial II (zona leste de Apucarana). 

continua após publicidade

Após a consumação do homicídio, José e o adolescente fugiram, mas depois o acusado de assassinato pelo Promotoria foi localizado pela polícia no município de Reserva e recambiado para Apucarana. 

O júri popular terminou por volta das 17 horas. 

RÉU NEGA PARTICIPAÇÃO - José Roberto, no entanto, nega de forma categórica que tenha induzido o menor a matar Rosnei. A sessão do Tribunal do Júri foi presidida pelo juiz Oswaldo Soares Neto e a acusação ficou a cargo do promotor Gustavo Marcel Fernandes Marinho. Os advogados Saulo de Tarso e Heitor Cazionato atuaram na defesa do réu. Um detalhe chamou a atenção no júri: dos sete jurados, seis eram mulheres.