Apucarana

​Diretor da Unespar confirma que aulas foram suspensas após acadêmico ameaçar professoras de morte 

Da Redação ·
​Narciso Rastelli confirmou que um aluno do curso de Letras é alvo de sindicância, após reiteradas ameaças contra uma professora com a qual havia se desentendido - Foto: José Luiz Mendes
​Narciso Rastelli confirmou que um aluno do curso de Letras é alvo de sindicância, após reiteradas ameaças contra uma professora com a qual havia se desentendido - Foto: José Luiz Mendes

Após o Conselho do Campus de Apucarana (norte do Paraná) da Universidade Estadual do Paraná (Unespar/Fecea) decidir suspender as aulas temporariamente, o diretor da unidade de Ensino Superior, professor Narciso Rastelli, concedeu entrevista na manhã desta terça-feira (12) para explicar a situação. A medida afeta todos os cursos disponibilizados pela instituição a partir desta terça-feira (12) e foi tomada preventivamente em decorrência de problemas de segurança. 

Narciso Rastelli confirmou que um aluno do curso de Letras é alvo de sindicância, após seguidas ameaças contra uma professora com a qual havia se desentendido anteriormente. Ele também teria feito ameaças a outras educadoras.  "Antes, porém, o mesmo aluno já havia sido afastado do curso por dez dias em razão de indisciplina em sala de aula e confusão com professoras, que estão com medo que algo pior venha a acontecer, pois o aluno fez ameaças de morte. Ele, inclusive, rasgou documentação quando foi comunicado sobre resultado da sindicância", detalhou Rasteli. 

Uma das professoras ameaçadas confirmou aos conselheiros que desde o dia das ameças feitas pessoalmente e depois via telefone, não voltou mais para a sua residência e tem se escondido na casa de familiares.

AMEAÇA DE MORTE REITERADA
"Esse estudante foi alvo de uma sindicância aberta pela Unespar e na semana passada, durante a leitura do relatório final, ele rasgou o documento e jogou os papéis contra os professores, além de ameaçar matá-los", reiterou um universitário da instituição que estuda junto com o aluno alvo de sindicância. Ele pediu para ficar no anonimato temendo possíveis represálias por parte do colega.

continua após publicidade


Boletim de ocorrência relativo às ameaças feitas à professora pelo acadêmico de Letras foi registrado na 17ª Subdivisão Policia (SDP).  "Ele estava muito nervoso e disse que iria matar todo mundo. Aparentemente, pelas atitudes que tem tomado, mostra-se uma pessoa que está transtornada", afirmou uma estudante da instituição que pediu para não ter o nome divulgado.

Policiais confirmaram que o mesmo universitário foi detido pela PM em janeiro deste ano, após furto em uma igreja evangélica de Apucarana. Na ocasião, ele pediu desculpas a membros da igreja e a situação foi resolvida. 

Apesar da sindicância, o aluno vem frequentando regularmente as aulas do curso de Letras. Com isso, o clima é de bastante tensão entre os acadêmicos. 


DECISÃO QUESTIONADA 
A decisão da direção de suspender as aulas, no entanto, foi questionada através de postagens em redes sociais. "O Conselho deliberou de tarde e de noite aconteceu algo com o aluno, então não se pode dizer que o motivo da paralisação das aulas seja pelo comportamento do aluno. Paralisar aulas por uma semana devido a um suposto episódio em uma noite seria uma decisão questionável. Existem outras coisas acontecendo na instituição a nível administrativo que podem ter exigido essa paralisação", diz uma das postagens na internet.  

continua após publicidade

A paralisação das aulas pegou de surpresa alunos, professores e funcionários da Unespar/Fecea



NOVA REUNIÃO NA QUARTA-FEIRA
O conselho deliberativo da Unespar convocou para quarta-feira (13), às 14 horas, uma nova reunião, com a presença do reitor e uma comissão formada por 31 pessoas, entre professores, alunos e funcionários com a finalidade de avaliar as condições para o reinício das atividades. A paralisação letiva pegou de surpresa alunos, professores e funcionários da instituição provocando perplexidade geral no campus da Unespar/Fecea em Apucarana.