Apucarana

Sociedade cobra fim do impasse político no Brasil

Da Redação ·
Bispo Dom Celso: momento delicado - Foto: Tribuna do Norte
Bispo Dom Celso: momento delicado - Foto: Tribuna do Norte

A situação política e econômica ruim que vive o Brasil está deixando a sociedade brasileira bastante preocupada. O País enfrenta uma efervescência política considerada uma das mais graves e maiores de sua história e insuportável.

A população assiste estarrecida esta questão envolvendo o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que foi nomeado quinta-feira ministro-chefe da Casa Civil pela presidente Dilma Rousseff (PT), porém tem sido alvo de muitas ações na Justiça Federal e não consegue exercer o cargo, ele que é investigado por corrupção.

Também assiste indignada as denúncias de corrupção que pesam contra o governo da presidente Dilma, que enfrenta pedidos de impeachment, e os presidentes da Câmara Federal, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), sem que que se coloque fim a esta situação.

Manifestações de protestos pipocam em todos os cantos do País. Uns pedindo a cassação da presidente, outros defendendo o governo. Enquanto isso, o País está parado e o desemprego aumentando.

continua após publicidade

O bispo da Diocese de Apucarana, Dom Celso Antônio Marchiori, avalia que o Brasil está vivendo um momento muito delicado e preocupante. Ele destaca que “a política é a missão de se buscar o bem comum para o povo., mas o que estamos vendo é a busca e a disputa pelo poder”, observa, assinalando que isto é o que tem motivado todo este barulho. Conforme o bispo, há um desejo das autoridades constituídas e da sociedade que se combata a corrupção, porém é necessário saber onde está o nó desta questão.

No seu entender, não adianta apenas incriminar essa ou aquela pessoa e o povo fazer manifestações de protesto. Segundo ele, se existem corruptos esses têm que ser punidos, porém é necessário mexer em toda esta estrutura que está instalada no País. “Eu tenho rezado muito para que o povo brasileiro tenha calma e não perca a esperança de dias melhores”, afirma.

SITUAÇÃO CAÓTICA - O presidente do Observatório Social de Apucarana (OSA), Mauro de Oliveira Carlos, vê com preocupação este imbróglio político em que a presidente da República, Dilma Rousseff, tenta se manter no poder, e ainda nomeia o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministro-chefe da Casa Civil, resultando em protestos por todo o País.

“Nós estamos vivendo uma situação caótica, insuportável”, afirma Mauro Carlos, para quem o País não pode mais continuar deste jeito. “Parece que os políticos perderam a noção de governo e só pensam no poder”, analisa. “Na verdade, o Brasil está sem governo já há muito tempo, o País está sendo controlado por uma nau automática que não leva a lugar algum”, declara.

Para Mauro Carlos, o Brasil precisa voltar a produzir, a crescer, porém não é por este caminho que o governo está procurando seguir. Quanto à possibilidade de impeachment ou renúncia da presidente Dilma, o presidente do OSA também não vê muitas perspectivas de mudança. “Colocar quem lá no governo?”, indaga ele, admitindo no entanto que qualquer um que entrar já provoca uma situação de mudança para melhor. “Aqui, nós aprovamos qualquer coisa que faça o Brasil funcionar”, completa.


Incertezas levam ao desemprego geral

O presidente da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Apucarana (Acia), Júnior Serea, se manifesta preocupado com o desemprego e a queda do poder aquisitivo do brasileiro. Segundo ele, isto tem afetado significativamente o comércio.

Ele observa que, com o baixo consumo, já que a renda do brasileiro está bastante achatada pela inflação, o comércio acaba sendo bastante prejudicado e isso obriga o empresário a fazer demissões. No entender de Serea, a corrupção instalada no governo é que tem provocado toda esta situação de incertezas. Ele espera que as autoridades resolvam de uma vez este imbróglio político envolvendo a presidente Dilma e agora também o ex-presidente Lula e o País volte a produzir e crescer. (E.C.)