Apucarana

Observatório Social avalia situação política do Brasil como "caótica e insuportável"

Da Redação ·
Presidente do Observatório Social, Mauro de Oliveira Carlos: "O Brasil está vivendo uma situação caótica e insuportável. E o País precisa caminhar"
Presidente do Observatório Social, Mauro de Oliveira Carlos: "O Brasil está vivendo uma situação caótica e insuportável. E o País precisa caminhar"

A quebra de sigilo telefônico da presidente Dilma Roussef e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo juiz Sérgio Moro e divulgação do teor de conversas entre os dois sobre a nomeação de Lula para ministro Chefe da Casa Civil com possível desvio de finalidade (para ser julgado pelo STF e não na Justiça Federal de Curitiba), deixou o Brasil em efervescência política. Vários partidos, entidades sindicais e empresariais têm manifestado repúdio ao ato e manifestações contra a nomeação de Lula foram realizadas em todo o Brasil.

A nomeação foi suspensa hoje por determinação de um juiz federal, mas o PT já adiantou que vai recorrer da decisão Em Apucarana, no norte do Paraná, o Observatório Social avalia que a situação do cenário político nacional é crítica. "O Brasil está vivendo uma situação caótica e insuportável. E o País precisa caminhar", afirma o presidente do Observatório Social, Mauro de Oliveira Carlos. Mais uma mobilização de protesto está sendo programadas para ocorrer em Apucarana, a exemplo do já aconteceu no último domingo, quando milhares de pessoas foram às ruas centrais para pedir o impeachment da presidente Dilma Roussef. Os grupos Cristãos pelo e Brasil Livre estão entre os organizadores da manifestação. O ex-prefeito Voldimir Mirão Maistrovicz engrossa o coro dos descontentes. "Não dá mais para suportar a atual situação política nacional", opina.

ARTICULAÇÕES EMPRESARIAL
- Já lideranças empresariais descontentes com à designação do ex-presidente Lula como ministro do Governo Dilma já estão articuladas para reagir. Elas não descartam a possibilidade de uma paralisação nacional de atividades produtivas e comerciais e a suspensão de pagamentos de impostos federais por tempo determinado. A Associação Comercial do Paraná (ACP) encaminhou nota à imprensa, nesta quinta-feira (17), demonstrando indignação com a nomeação, por parte da presidente Dilma Roussef (PT), do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o cargo de ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República.

“É um fato que constitui gravíssima afronta à sociedade e ao Poder Judiciário. Hoje o ex-presidente é alvo de pesadas acusações e investigações pela Lava Jato, por suspeita de recebimento de vantagens fornecidas por empresas envolvidas no Petrolão, maior escândalo de corrupção com dinheiro público da história do país”, diz o trecho inicial da nota.

continua após publicidade