Apucarana

Chuva atrasa colheita de soja no Paraná 

.

Produtor Luis Roberto Felipete afirma que teve 90% da lavoura afetada (Foto: Sérgio Rodrigo)
Produtor Luis Roberto Felipete afirma que teve 90% da lavoura afetada (Foto: Sérgio Rodrigo)

A chuva que não tem dado trégua no Norte do Paraná ao longo das últimas semanas está afetando a safra de soja. Produtores estimam prejuízos de até 35%.

 “Estamos na época da colheita, mas os trabalhos estão paralisados. Com a chuva, não tem como as máquinas entrarem na plantação. Com isso, problemas já enfrentados pelos produtores desde as fortes chuvas de dezembro e janeiro podem ser agravados”, afirma o chefe do Departamento de Economia Rural (Deral) da unidade de Apucarana da Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento (Seab), Paulo Franzini.

Ele afirma que a produtividade pode ser afetada. “Nossa projeção inicial, na época do plantio, era de uma produtividade média entre 3,3 e 3,6 toneladas por hectare. Em janeiro, essa projeção foi reajustada, ficando entre 3,1 e 3,4 toneladas. Se a situação se mantiver, a produtividade pode ser ainda mais comprometida”.

Produtor de soja com 140 alqueires plantados, Luis Roberto Felipete afirma que teve 90% da lavoura afetada. “Se a chuva parar imediatamente, já terei de 30 a 35% de prejuízo. A cada dia que chove mais, o prejuízo aumenta. Com a chuva, não tem como entrar com o maquinário na lavoura, nem para colher, nem para fazer o uso de pesticidas. Com isso, parte da soja já está brotando na vagem, e parte é perdida pela ferrugem asiática”, diz.

Atualmente, pouco mais de 30% da lavoura foi colhida na região, segundo a Seab. No Núcleo Regional de Apucarana do órgão, mais de 123 mil hectares foram plantados. Boa parte da lavoura foi afetada pela praga conhecida como ferrugem asiática, que se prolifera com maior intensidade por causa das chuvas.

Segundo a Seab, o atraso da colheita de soja pode afetar também o plantio da 2ª safra de milho, que é feito por diversos produtores no mesmo espaço ocupado anteriormente pela soja. De acordo com o órgão, a data-limite para o plantio do milho é 10 de março. Após essa data, uma boa produtividade não pode ser garantida.

Segundo o Instituto Simepar, deverá chover pelo menos até este sábado (27).